Trate seu coração com a prevenção

Conheça a importância dos exercícios para evitar os altos níveis de colesterol no sangue

No dia 8 de agosto temos o dia Nacional de Controle do Colesterol, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, 40% da população brasileira está com colesterol elevado, sendo as mulheres mais afetadas do que os homens. O colesterol elevado é considerado um dos fatores de risco tanto para a síndrome metabólica, quanto para as doenças cardiovasculares.

Diversos fatores contribuem para o aumento do colesterol com destaque para o componente genético ou hereditário, obesidade, idade, gênero, diabetes, hábitos alimentares e sedentarismo, sendo a inatividade física um dos principais fatores contribuintes.

Estudos recentes começaram a remodelar a relação entre o exercício, lipídeos sanguíneos e níveis das lipoproteínas com a Doença Arterial Coronariana (DAC), destacando não só os componentes tradicionais como os lipídeos sanguíneos e lipoproteínas, mas outros importantes marcadores como a elevação da lipemia pós-prandial, que representa a os níveis de “gordura” no sangue após as refeições, e a síndrome metabólica.

Dentre as novas tendências esta a maior correlação do “colesterol ruim” NÃO HDL-C (Lipoproteína de Alta Densidade) com a DAC, quando comparado com a fração isolada de LDL-C (Lipoproteína de Baixa Densidade). A maioria dos estudos aponta que a atividade aeróbia só é eficaz para redução significativa do LDL-C quando acompanhada de redução do peso corporal, entretanto foram encontradas reduções favoráveis de 2,5% para o NÃO HDL-C independentemente da diminuição do peso corporal. Respostas mais favoráveis ao NÃO HDL-C foram ampliadas quando o indivíduo conseguia perder peso.

Diferentemente da crença popular, o treinamento de força na musculação, promove reduções significativas nas duas frações do colesterol, com reduções significativas de 4.5% e 6% respectivamente para o LDL-C e NÃO HDL-C.

Quanto ao HLD-C, apontado como “colesterol bom” os exercícios aeróbios promovem seu aumento em aproximadamente 4%, sendo que os benefícios são ampliados quando os níveis pré-treinamento estão baixos e quando o indivíduo reduz o peso corporal. São poucos os estudos que avaliaram o papel do treinamento de força no HDL-C, estes encontraram reduções não clinicamente significativas de 1% .

A Lipemia pós-prandial é considerada um importante marcador de risco para a DAC e é inversamente relacionada com sessões recentes de atividade física, uma única sessão de atividade aeróbia de 30 minutos ou mais, com moderada intensidade, altera favoravelmente o fluxo do metabolismo pós-prandial por 12 a 36 horas após o exercício. Apesar de menos estudado, um recente estudo apontou que mulheres obesas que realizaram o treinamento de força com 60 minutos de duração em alta intensidade obtiveram melhoras similares ao treinamento aeróbio.

Está bem claro que a melhor intervenção para o controle e redução do colesterol, além da melhora dos hábitos alimentares e redução de peso corporal, é a combinação das atividades aeróbias com o treinamento de força, uma recente revisão publicada em 2014 na revista “Sports Medicine” corrobora esta orientação fazendo as seguintes recomendações para
prescrição destas atividades, confira o quando abaixo.

 

Grupo

Objetivos

Treinamento Aeróbio

Treinamento de Força

Saudáveis

Manutenção do Não HDL-C e aumento do HDL-C

5 x p/ semana

Superior a  30 min

Moderada Intensidade

70-80% F.C. reserva

Principais Grupos Musculares

Elevado Volume (sets x reps).

Intensidade moderada/Alta.

50 – ≥ 85%  de 1 RM

Colesterol Elevado (Dislipidemia)

Reduçãodo Não HDL-C e aumento do HDL-C

5 x p/ semana

Superior a  30 min

Moderada a Elevada  Intensidade

70-85% F.C. reserva

Baseados nestas informações, a Proforma elaborou um programa interdisciplinar composto de médicos, nutricionistas e educadores físicos especializados na prevenção e tratamento das dislipidemias. São 30 anos cuidando da saúde dos nossos alunos, agora só falta você.

Referencias Bibliográficas:
Gordon B, Chen S e Durstine, JL. (2014). The effects of exercise
training on the traditional lipid Profile and Beyond. Curr Sports Med
Rep.Jul-Aug;13(4):253- 259.
Mann S, Beedie C e Jimenes A. (2014). Differential effects of aerobic
exercise, resistance training and combined modalities on cholesterol and
lipid profile Review, synthesis and recommendations. Sports Med. 2014
Feb;44(2):211-21

 

 

 

André Leta

Professor de Educação Física com Mestrado em Biociências da Atividade Física pela UFRJ. Diretor Técnico da Academia Proforma.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s