Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Fabiano Serfaty Por Fabiano M. Serfaty, clínico-geral e endocrinologista, MD, MSc Saúde, prevenção, tratamento, dieta, bem-estar, tecnologia, inovação médica e inteligencia artificial com base em evidências científicas

Jejum pela manhã pode auxiliar no emagrecimento

Estudos apontaram que a dieta Low carb reduziu a fome por mais tempo nos indivíduos

Por Fabiano M. Serfaty Atualizado em 22 out 2020, 17h25 - Publicado em 22 out 2020, 15h22

O primeiro estudo que avaliou os efeitos do jejum intermitente “sob demanda” em curto prazo, também conhecido como “Time-restricted eating” (publicado anteriormente com exclusividade pela primeira vez no Brasil anteriormente aqui em VEJA RIO) foi recentemente publicado durante o congresso on-line da European Association for the Study of Diabetes (EASD).

No estudo, os pacientes foram divididos em três grupos, todos os pacientes realizaram sua última refeição às 20:00 horas.

No dia seguinte: o primeiro grupo de pacientes fez o jejum das 8:00 às 14:00; O segundo grupo de pacientes tomou um café da manhã com baixo teor de carboidratos(low carb), contendo 500 kcal: 60% de gordura e 40% de proteína; o terceiro grupo fez um café da manhã mediterrâneo, contendo 500 kcal: 50% de carboidratos, 30% de gordura e 20% de proteína.

O estudo demonstrou que pular o café da manhã, fazendo um jejum no início do dia, pode de fato, auxiliar a perda de peso, através de uma maior mobilização substancial do tecido adiposo.

A pesquisa também demonstrou os benefícios da dieta low carb, provando que um café da manhã com baixo teor de carboidratos saciou a fome por mais tempo quando comparado com um café da manhã do tipo mediterrâneo.

Estes achados corroboram os benefícios do “Time-restricted eating”, ou seja estratégias nutricionais que utilizam intervalos de jejum como o jejum 16:8, no qual a pessoa se alimenta durante 8 horas ao longo de um dia e fica 16 horas sem comer.

Continua após a publicidade

Os fatores associados à mobilização de gordura foram a duração do jejum (P = 0,040), o IMC (P = 0,020) e a resistência à insulina (HOMA-R; P = 0,059).

Para os indivíduos que tomaram café da manhã não houve diferenças nos níveis de corpos cetônicos e de beta-hidroxibutirato, independentemente do tipo de café da manhã ingerido.

Café da manhã com baixo teor de carboidratos saciou a fome por mais tempo. No entanto, houve uma diferença na janela de fome em relação aos dois cafés da manhã. Os níveis de insulina foram “muito mais altos no café da manhã do tipo mediterrâneo em comparação com o com baixo teor de carboidratos, mas isso não se traduziu em uma diferença mensurável na produção de corpos cetônicos entre as duas abordagens”, explicou o Dr. Dimitrios.

Os achados deste estudo grego em pessoas saudáveis são interessantes, mas não surpreendentes, pois é natural que mais tempo de jejum prolongue o período em que o metabolismo produz energia a partir dos depósitos de gordura”, disse a Dra. Anne-Marie.

Jejum matutino pode proporcionar maior mobilização do tecido adiposo. “A descoberta mais interessante talvez seja que o jejum resultou em aumento da fome, ao passo que o café da manhã com baixo teor de carboidratos suprimiu o apetite por mais tempo do que o café da manhã do tipo mediterrâneo”, ela disse.

Fontes:
1.https://portugues.medscape.com/verartigo/6505498; Jejum matutino pode proporcionar maior mobilização do tecido adiposo.
2.Reunião Anual da European Association for the Study of Diabetes (EASD) 2020: Apresentado em 24 de setembro de 2020.

Continua após a publicidade
Publicidade