Clique e assine por apenas 4,90/mês

Mário Frias demite presidente da Funarte e coronel assume o cargo

Lamartine Barbosa Holanda, de 60 anos, atua na área do audiovisual do Exército e dirigiu um vídeo institucional da Indústria de Material Bélico do Brasil

Por Cleo Guimarães - 14 set 2020, 14h14

Durou menos de dois meses a gestão de Luciano da Silva Querido à frente da Funarte. Assessor de Carlos Bolsonaro na Câmara de Vereadores do Rio por mais de uma década, Querido é bacharel em Direito e webdesigner e não tinha experiência voltada para a área cultural. Ele assumiu o cargo em 20 de julho e foi demitido pelo Secretário da Cultura, Mário Frias, com quem teria se desentendido. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda (14). 

Sem pipoca, sem filme: cinemas do Rio não vão reabrir sem bombonière

Frias consultou a família Bolsonaro antes de tomar a decisão – e recebeu o OK para substituir Querido. O escolhido para presidir o órgão, que tem como função o incentivo a propagação das artes no Brasil, é o coronel da reserva e ex-paraquedista do Exército Lamartine Barbosa Holanda.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Lamartine tem experiência em logística e já presidiu a Câmara de Comércio Brasil-Albânia. Ele atua na área  do audiovisual do Exército e dirigiu um vídeo institucional da Indústria de Material Bélico do Brasil.

 

Continua após a publicidade
Publicidade