Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Covid-19: Crivella tem que explicar à Justiça relaxamento de medidas

Prefeitura do Rio tem até esta quinta (17) para justificar por que não seguiu as recomendações de seu próprio comitê científico

Por Cleo Guimarães Atualizado em 25 fev 2021, 10h05 - Publicado em 15 dez 2020, 14h50

Recomendadas pelo comitê científico municipal no início de dezembro, medidas de isolamento social como o fechamento de escolas, a restrição do funcionamento de bares e restaurantes e a proibição de banhistas nas praias do Rio foram solenemente ignoradas por Marcelo Crivella – e a Justiça quer saber por quê. Não só quer explicações, como também fixou um prazo de 48 horas para que isso aconteça.

Covid-19: Rio segue em ascensão de diagnósticos e mortes

A Procuradoria Geral do Município foi notificada nesta segunda (14) e a prefeitura tem até esta quinta (17) para responder por que motivo não levou em consideração as recomendações do grupo – criado pela próprio poder municipal – para ajudar na tomada de decisões no combate ao coronavírus.

Coronavírus: morre Paulinho, vocalista da banda Roupa Nova

Marcelo Crivella vinha exaltando o trabalho do comitê científico em todas as entrevistas coletivas concedidas desde o início da pandemia, e dizia se guiar por suas recomendações antes de anunciar novas medidas de flexibilização.

Lives da semana: Caetano Veloso, Mart’nália e Zeca Pagodinho

No começo de dezembro, no entanto, quando o número de casos de Covid-19 voltou a subir na cidade, o prefeito optou por não seguir as recomendações dos especialistas pela primeira vez desde abril – e não deu justificativa alguma para agir assim. Agora ele terá que explicar à Justiça.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade