Clique e Assine a partir de R$ 3,90/mês

Coronavírus: Miguel Nicolelis pede lockdown imediato no país

Neurocientista faz apelo ao governo brasileiro e afirma que, se medida não for adotada logo, 'não daremos conta de enterrar os nossos mortos em 2021'

Por Cleo Guimarães 5 jan 2021, 13h21

Considerado um dos 20 maiores cientistas do Século XX pela revista Scientific American, Miguel Nicolelis usou suas redes sociais para fazer um apelo. Ele pede ao governo brasileiro que decrete lockdown nacional “imediatamente” para frear o avanço da pandemia. Sem meias  palavras, o neurocientista radicado nos Estados Unidos e que atualmente coordena o comitê científico de combate ao coronavírus do Consórcio Nordeste, fez três postagens no Twitter, na noite desta segunda (4), nas quais expõe com firmeza seu ponto de vista.

Covid: com 3 600 novos casos, prefeitura desmobiliza Hospital do Riocentro

“Acabou. A equação brasileira é a seguinte: Ou o pais entra num lockdown nacional imediatamente, ou não daremos conta de enterrar os nossos mortos em 2021”, escreveu. Minutos depois, desenvolveu seu raciocínio: “O Brasil precisa criar uma Comissão de Salvação Nacional para ontem. Passamos de todos limites aceitáveis de estupidez. Estamos correndo o risco de entrar em colapso sanitário, social e econômico em 2021. O Brasil está na UTI e o diagnóstico é falência terminal de múltiplos órgãos”.

‘Festão!’: Caetano Veloso processa cantora por fake news, e ela se retrata

Uma hora antes, o cientista já havia citado a atitude do primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que “se rendeu aos fatos” e fechou a Inglaterra mais uma vez. “Inglaterra decretando o terceiro lockdown nacional para conter explosão de casos. Até Boris Johnson se rendeu aos fatos. Por aqui, a palavra lockdown virou palavrão para gestores. Tanto melhor para o coronavirus que se beneficia da inoperância, omissão e ignorância rampantes”.

Covid-19: com 616 casos em duas semanas, Barra ainda lidera ranking no Rio

O Brasil acumula, até a noite desta segunda (4) quase oito milhões de casos confirmados de coronavírus (7 753 752, para ser mais exato), e 196 561 mortos, de acordo com dados fornecidos pelo Ministério da Saúde. Veja os posts de Miguel Nicolelis, em ordem cronológica:

Continua após a publicidade
Publicidade