Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Coronavírus: a emoção de Tony Ramos ao ser vacinado tem alguns motivos

Além de ser uma pessoa extremamente empática, ator tem filho médico e era muito amigo de Nicette Bruno, vítima recente da Covid-19

Por Da Redação 29 mar 2021, 15h50

Um dia depois da morte de Nicette Bruno por complicações do coronavírus, em dezembro de 2020, Tony Ramos participou do programa de Fátima Bernardes, na Globo. Ao dar seu depoimento sobre a amiga, não conseguiu se conter. “A perda dela é muito difícil (…) Lamentável esse vírus fazer isso com a nossa querida Nicette”, disse, com os olhos marejados. Tony chorou naquele dia, assim como chorou no último sábado (27), ao ser vacinado, no Rio.

Aglomeração com A maiúsculo: fiscais descobrem rave com 2 000 pessoas

Artistas vêm comemorando a imunização, postando fotos e vídeos do momento da picada no braço em suas redes. Mas chegar às lágrimas, até agora, só Tony – um profissional conhecido nos bastidores da TV brasileira por sua educação e empatia, e por tratar a todos que o cercam da mesma forma (da moça do café ao integrante do topo da cadeia hieráquica da empresa). Além disso, ele tem um filho, Rodrigo, que é cirurgião cardiovascular.

Covid: pontos de vacinação são inaugurados no Hotel Fairmont e Jockey Club

Por essas e outras, quem o conhece não ficou surpreso com sua emoção genuína ao ser abordado por uma equipe de TV, assim que recebeu a primeira dose da vacina. “Esses jovens médicos, pessoas envolvidas com a saúde pública que… Esses profissionais, todos os que estão lá nos hospitais, na linha de frente, têm que receber o nosso aplauso, o nosso reconhecimento”, disse Tony, tocado.

Covid-19: Rio antecipa vacinação de idosos de 71 a 67 anos

Ele também fez um discurso pela vacinação (“Vamos lembrar aos incrédulos quantos males as vacinas venceram? Vou lembrar um: sarampo. Lembrei de outro: a paralisia”), e pediu para que os brasileiros continuem acreditando na ciência e nos profissionais da saúde. No fim, deu uma espetada sutil e respeitosa, bem ao seu estilo, nos negacionistas. “É possível vencer quando todos, juntos, estão emanados num mutirão pela saúde. Acreditem: a ciência está presente, atenta, buscando novos caminhos“, disse o ator.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade