Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Coronavírus: Eduardo Paes diz que não pediu vacina para João Doria

Governador de São Paulo havia dito que prefeito fez pré-encomenda de CoronaVac, prevista para ser aplicada na população do estado a partir de 25 de janeiro

Por Cleo Guimarães Atualizado em 8 dez 2020, 13h36 - Publicado em 8 dez 2020, 13h35

Ao anunciar o plano de imunização contra a Covid-19 em São Paulo, o governador João Doria afirmou que as vacinações terão início no dia 25 de janeiro com a CoronaVac, vacina chinesa que está sendo produzida no Brasil pelo Instituto Butantan. Doria também disse, nesta segunda (7), que o prefeito eleito Eduardo Paes havia entrado em contato para pedir doses da vacina.

Ator Eduardo Galvão morre vítima de Covid-19, no Rio

“Eduardo Paes me telefonou hoje pela manhã dizendo que o Rio de Janeiro não vai ficar aguardando o programa para março, e desejará vacinar o mais breve possível, começando pelos profissionais de saúde da cidade”, afirmou. Paes, no entanto, disse que não foi bem assim. Ou melhor, não foi nada assim.

Carnaval 2021: ‘Vamos fazer a maior festa da história’, diz Eduardo Paes

O prefeito negou, em nota oficial, que tenha feito o pedido ao governador paulista, e anunciou que vai aguardar a definição da política de imunização do Ministério da Saúde. “A Prefeitura do Rio, durante toda a minha gestão, sempre seguiu as regras definidas pelo Programa Nacional de imunizações e assim será em relação à vacina de combate ao coronavírus”, afirmou, citando os oito anos em que foi prefeito do Rio (de 2009 a 2017).

Continua após a publicidade

Covid-19: ocupação em UTI chega a 100% em unidades municipais

Paes continua o texto: “Os insumos estratégicos no Sistema Único de Saúde são de responsabilidade do governo federal, o que aumenta muito o poder de compra do Estado brasileiro, reduzindo custos para o Sistema Único de Saúde. A partir de 1º de janeiro estaremos juntos ao Ministério da Saúde acompanhando todo o planejamento e organizando a rede municipal para garantir que a vacinação seja realizada de forma organizada e no menor tempo possível para a população”, acrescentou.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Sem citar João Doria ou o governo de São Paulo, o prefeito eleito disse que o assunto é “de suma importância” e precisa ser tratado como tal, de forma institucional, “sem que haja ruídos de comunicação ou interpretações equivocadas.”

.

 

Continua após a publicidade
Publicidade