Clique e assine por apenas 3,90/mês

Cinema: saiba quem vai interpretar Leonel Brizola no filme sobre Jango

Diretora do longa, Susanna Lira escalou Roberto Birindelli para o papel; Andreia Horta e Alexandre Nero são os protagonistas

Por Cleo Guimarães - 6 ago 2020, 12h23

Ator uruguaio radicado no Brasil, Roberto Birindelli foi o escolhido por Susanna Lira para interpretar Leonel Brizola no filme Vestida de Silêncio. O longa vai revisitar a trajetória de João Goulart por meio do olhar de sua mulher, Maria Thereza Goulart, e a previsão é que comece a ser rodado em 2021.

Roberto Birindelli: ator uruguaio interpretará Brizola em ‘Vestida de silêncio’ Cláudia/Editora Abril/Reprodução

Zeca Pagodinho fará live especial no Dia dos Pais

Há alguns pontos em comum entre Brizola e Birindelli – como a ligação com o Uruguai, onde Brizola se exilou depois do Golpe de 64 – mas Susanna destaca a semelhança física entre o ator e o ex-governador (do Rio e do Rio Grande do Sul, onde Birindelli morou e se formou em Arquitetura) para convidá-lo para o longa.

Rio está entre as dez cidades que mais ‘traem’ na pandemia

“Além de ser um excelente ator, ele é muito parecido com o Brizola mais jovem”, contou a diretora, que tem no currículo outro filme histórico, o documentário “A Torre das Donzelas”, sobre a repressão às mulheres na época da ditadura. “Brizola era casado com Neuza, irmã de Jango e, apesar de serem dois ícones da esquerda, eles tinham muitas diferenças e ficaram sem se falar durante 10 anos. No filme, vamos ressaltar a complexidade da relação pouco revelada entre eles”, disse Susanna a VEJA RIO.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Birindelli interpretou o doleiro Alberto Youssef no filme “Polícia Federal – A lei é para todos”, dirigido por Marcelo Antunez, e ficou mais conhecido no Brasil ao participar da novela “Império”, de Aguinaldo Silva, no papel de Josué, um capanga do protagonista vivido por Alexandre Nero.

Nero foi escalado por Susanna para viver Jango, e Andreia Horta, que já interpretou Elis Regina no cinema, ficou com o papel de Maria Thereza Goulart, a quem cabe o título informal de “a primeira-dama mais bonita que o Brasil já teve”.

Continua após a publicidade
Publicidade