Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Acervo pessoal de Ruy Guerra chega ao Instituto Moreira Salles

Conjunto reúne correspondências, 1 200 fotografias, 400 originais de produção literária, incluindo roteiros, letras de canções e contos

Por Marcela Capobianco Atualizado em 23 ago 2021, 13h04 - Publicado em 23 ago 2021, 13h02

Nascido em Moçambique, o cineasta, compositor e escritor Ruy Guerra adotou o Brasil – e o Rio de Janeiro – como pátria em 1958 e soube traduzir a rica cultura do país, e as incongruências, em suas produções.

+ Pesquisador encontra sete letras inéditas de Belchior

Guerra completou 90 anos neste domingo (22) e parte de seu acervo pessoal acaba de ser comprado pelo Instituto Moreira Salles.

O conjunto é composto por cerca de 600 correspondências, 1 200 fotografias, 400 originais de produção literária, incluindo roteiros, letras de canções, contos, poemas e anotações, entre outros itens.

+ Ícones da cultura iorubá ganham exposição no MAR

Entre os destaques, estão cartas trocadas entre Guerra e importantes nomes da cultura, como Augusto Boal, Cacá Diegues, Glauber Rocha, Paulo José e o escritor peruano Mario Vargas Llosa.

Nas fotografias, há registros da infância e juventude do artista, além de imagens com a família e amigos, como Gabriel García Márquez. O conjunto também traz também fotos feitas durante todos os filmes do cineasta.

Continua após a publicidade

No material, há ainda poemas originais, manuscritos e datiloscritos, publicados em colunas do Jornal do Brasil e O Estado de S. Paulo.

+ Covid-19: Rio adia início de vacinação de adolescentes

Nas décadas de 1960 e 1970, Ruy Guerra foi parceiro letrista de compositores do quilate de Edu Lobo, Francis Hime, Milton Nascimento e Chico Buarque.

Em parceria com Chico, escreveu e produziu o musical Calabar: o Elogio da Traição, censurado integralmente pela ditadura militar em 1973. Como cineasta, dirigiu clássicos como Os Cafajestes (1962) e Os Fuzis (1964) – ícones do Cinema Novo – além de Ópera do Malando (1986) e Kuarup (1989).

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Os itens serão incorporado ao acervo de literatura do IMS. “É nossa política privilegiar acervos que conversem com os que já temos sob nossa guarda. Ruy Guerra foi contemporâneo de Boal, Ana Cristina Cesar, Décio de Almeida Prado e de tantos outros importantes titulares de acervos que abrigamos”, diz Rachel Valença, coordenadora do setor.

Continua após a publicidade

Publicidade