Beira-mar

NBA quer tornar basquete esporte preferido do Brasil

Em 2015, liga de basquete começará uma espécie de catequese entre os jovens cariocas. James Cannon, diretor comercial da NBA no Brasil, critica as quadras do Rio

Por: Daniela Pessoa - Atualizado em

james cannon
James Cannon: quadras de basquete malcuidadas no Rio (Foto: Wander Roberto / Inovafoto)

+ Dicas de lazer ao ar livre na cidade

A expectativa para o jogo das equipes de basquete da NBA no Rio, neste sábado (11), na Barra, é grande. A partida marca o primeiro confronto do astro LeBron James, que defende o Cleveland Cavaliers ao lado do brasileiro Anderson Varejão, com seu ex-clube, o Miami Heat. Com ingressos esgotados, quem está por trás de todo o evento é o americano James Cannon, diretor comercial da NBA no Brasil. “É difícil vender o basquete no país do futebol, mas antes eu vendia chuteiras no país do basquete”, diz. “Há espaço para um segundo esporte predileto no Brasil, e os patrocinadores já estão prestando atenção nisso.” Em 2015, a NBA começará uma espécie de catequese entre os jovens cariocas. “Queremos aproxi­má-los do esporte. Há muitas quadras na cidade, mas são muito malcuidadas”, reclama Cannon.

+ Veja onde aprender esportes nada convencionais no Rio

Em tempo: o embate será transmitido ao vivo, de graça, em uma arena montada em frente ao Jardim de Alah, na Praia de Ipanema. Até domingo (12) vão desfilar por lá, ainda, cheerleaders, jogadores e mascotes. Ficará em exibição, também, o troféu Larry O’Brien, entregue aos campeões da liga. Três homens se ocuparão da segurança da taça de prata de lei banhada a ouro 24 quilates, talhada à mão por artesãos da Tiffany & Co em um trabalho que leva, em média, 80 horas.

Leia mais na coluna Beira-mar dessa semana:

+ Malvino Salvador estreia peça em papel que já foi de Hugh Jackman na Broadway

+ Apresentadora Cynthia Howlett vai abrir consultório de nutrição

+ Rio ganha novo bloco de Carnaval, o Põe na Quentinha

+ Primeira-bailarina do Theatro Municipal arrecada 6500 reais para trazer meninas do Piauí ao teatro

 

Fonte: VEJA RIO