Continua após publicidade

O crescimento dos microempreendedores individuais na pandemia

Jovens cariocas monetizam ideias desde o início do confinamento compulsório

Por Marina Louro*
19 jan 2021, 09h00

“E agora?” foi o que uma significativa parcela dos empreendedores cariocas se perguntou em meados de março. De contratempo, a pandemia passou a se apresentar, de lá para cá, como oportunidade em alguns casos. Jovens cariocas têm apostado em ferramentas das redes sociais para transformar hobbies em negócios e complementar renda. O número de trabalhadores inscritos como microempreendedores individuais (MEIs) cresceu em torno de 15% durante este ano de pandemia, segundo os dados do Portal do Empreendedor, do Governo Federal.

+ A expectativa dos trabalhadores do Carnaval pela retomada do setor

Juliana Trotte, de 20 anos, estuda jornalismo, mas sempre sonhou em ser dona de uma loja de doces. A carioca descobriu que com o planejamento é possível conciliar as duas carreiras. Fruto de um sonho antigo, nasceu a Palato Carioca (@palatocarioca) no mês de dezembro.

“Sempre gostei muito de cozinhar e levava isso como um hobbie. Junto com a pandemia, surgiu o home office. Com isso, achei um espaço de tempo curto, mas favorável para investir na cozinha”.

A facilidade em realizar seu sonho sem a necessidade de um grande investimento financeiro foi um dos motivos que incentivou Juliana a entrar no universo do empreendedorismo. A carioca não pretende abrir uma loja física – outra tendência de comportamento entre os empreendedores – mas deseja dedicar-se ao ambiente digital. “Acredito que é possível ser bem sucedida com baixo investimento, basta persistir”, acrescenta.

Continua após a publicidade

Gabriela Moreira, de 21 anos, é formada em empreendedorismo pela UFF e proprietária da loja Solar Kimonos (@todesolar) há dois anos. Inicialmente, a pandemia se apresentou como um obstáculo para a tijucana, que chegou a fechar o mês de março com o saldo negativo. “Pensei em desistir. Foi aí que comecei a estudar o que poderia fazer diferente. Descobri o marketing digital e acabei criando uma paixão muito grande por criar conteúdo”, contou.

A imagem mostra dois kimonos estampados
Solar Kimonos: salto na pandemia (Solar/Divulgação)

Os estudos de marketing digital somados com a criatividade da empreendedora contribuíram para que um dos vídeos de Gabriela atingisse oito milhões e quatrocentas mil visualizações. Com apenas 15 segundos de duração e nenhum investimento financeiro, o conteúdo sobre amor próprio trouxe mais de 9000 seguidores para a marca, além de dez vendas por semana.

+ Pandemia agrava crise dos cinemas de rua do Rio

Continua após a publicidade

“Passei de três vendas ao mês para dez vendas por semana. É importante mostrar os seus princípios e as causas que você defende na loja, porque assim as pessoas vão se identificar e atribuir valor à marca.”

De acordo com o diretor e professor da escola de marketing digital M2br Academy, Luis Paulo da Silva, as redes sociais são uma ferramenta poderosa para que as marcas consigam encontrar seu público e fazer com que sua mensagem seja percebida. Com o e-commerce em expansão, é comum que mais uma dúvida seja colocada para os empreendedores: “Como me destacar no meio de tantas marcas?”. Para Luis, o fator diferenciador é a produção de conteúdos relevantes e de qualidade. Imagens e vídeos em alta definição mostrando os benefícios e funcionalidades do produto, depoimentos de outros clientes e a participação dos usuários são exemplos de conteúdo para se destacar.

Mas afinal, qual é o primeiro passo para começar a empreender no universo digital? “Elaborar um plano tático e estratégico junto a um levantamento profundo de todos os custos envolvidos. É preciso estudar o negócio, os concorrentes, o público, os canais e se planejar”, afirma Luis.

“Comece agora. Não precisa ter medo.” – é o que diz Gabriela Moreira.

Continua após a publicidade

Dez lojas de microempreendedores cariocas para você conhecer:

1 – @mil.criacoes

2 – @opsscrunchies

3 – @marinavendecoisas

Continua após a publicidade

4 – @nosdajuli

5 – @docesdatom

6 – @_atucan

7 – @lojinhanani

Continua após a publicidade

8- @myka.atelie

9 – @biqui.nix

10 – @daierdress

Marina Louro*, estudante de comunicação, sob supervisão dos professores da PUC-Rio e revisão de Veja Rio

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.