Clique e assine por apenas 4,90/mês

O aquecimento do mercado de produtos eróticos durante a pandemia

Isolamento social faz disparar as vendas on-line de vibradores e brinquedos sexuais

Por Laura Yule* - Atualizado em 14 jul 2020, 17h53 - Publicado em 16 jun 2020, 17h16

O isolamento social causou impasses para a economia mundial e afetou as relações sociais. Na contramão dessa tendência, um setor aumentou as suas vendas: o de empreendimentos de objetos eróticos, que possibilitam a diversão sexual para muita gente nesse momento de solidão coletiva. Com a quarentena, recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a fim de frear o novo coronavírus, mulheres do mundo inteiro estão recorrendo a sex shops, tanto para se divertir com os parceiros, como para o autoconhecimento e prazer próprio. A marca de brinquedos eróticos Womanizer divulgou que suas vendas cresceram em março, quando a pandemia explodiu, particularmente nas áreas mais afetadas pelo vírus, com aumento de 60% na Itália, 75% nos Estados Unidos e 71% em Hong Kong. 

+ Cariocas buscam alternativas para tomar sol na pandemia

O Rio é o segundo maior mercado de vendas de produtos eróticos no Brasil, com 11% do setor, atrás de São Paulo, com 33%. O e-commerce já representava 70% do faturamento de sex shops, e a pandemia tem influenciado no aumento deste cenário: as vendas de vibradores subiram 50% desde março, de acordo com pesquisa do portal especializado Mercado Erótico. Segundo a Associação Brasileira de Empresas do Mercado Erótico e Sensual (Abeme), o isolamento social contra a disseminação da Covid-19 pode levar ao crescimento de até 12% na compra de vibradores e outros produtos sexuais. 

+Pandemia altera dinâmica do mercado livreiro

Continua após a publicidade

No Rio, lojas reforçaram as vendas on-line. A Désir Atelier Lingerie, na Barra da Tijuca, investiu em promoções de lingeries, brinquedos e acessórios sensuais para a quarentena. 

Desire Atelie/Divulgação

A pandemia deu um empurrão nas vendas. Já no primeiro mês da quarentena foram mais de 100, e só têm aumentado. O mercado está fluindo muito bem”, comemora Bárbara Bastos, sócia da boutique, aberta em 2018.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Os produtos mais vendidos são o vibrador bullet, o gel vibration de doce de leite e o gel dessensibilizante Cliv Intt. A loja atende a pedidos pelo site e também pelo Instagram e pelo WhatsApp. Para a clientela carioca, a marca entrega os pedidos por um serviço de entrega expressa, ou na porta da boutique. Para quem mora fora do Rio, os pedidos são enviados por Sedex.  

Continua após a publicidade

A universitária carioca Stephany Lopez, de 20 anos, namora há quatro anos, mas o parceiro mora em Niterói e, por causa das restrições da quarentena, não estão se encontrando. A jovem comprou um novo brinquedo erótico durante o isolamento para conhecer melhor o próprio corpo: 

“Por estar longe do meu namorado por causa dessa pandemia, eu comecei a comprar mais produtos eróticos on-line, até porque tem muitas marcas fazendo promoção e sorteios incríveis. Eu já tinha comprado três brinquedos e alguns acessórios, mas agora decidi comprar um novo pra ter uma novidade durante esse isolamento. Acho que esse está sendo um momento de tentar relaxar, ficar bem e ter momentos de prazer sozinha”, conta Stephany.

Desire Atelie/Divulgação

Enquanto Stephany aproveitou o momento das promoções para aumentar a sua coleção, outras estão aproveitando para superar tabus e ter as primeiras experiências com brinquedos eróticos: 

“Desde nova tinha curiosidade de experimentar, mas como existe um tabu em cima da sexualidade feminina, do prazer feminino, me restringia, como se fosse algo errado. Veio o distanciamento social, e com isso também veio a vontade de me conhecer mais, conhecer meu corpo, meu próprio prazer. Minha vontade de experimentar superou minha resistência”, conta outra estudante carioca, que comprou seu primeiro vibrador na quarentena.

Continua após a publicidade

A jovem, que prefere manter o anonimato, já seguia nas redes sociais uma sex shop on-line, e os descontos: “Vibradores geralmente são bem caros, e estava esperando também que o preço baixasse. Fizeram uma promoção nos últimos dias e aproveitei”.

O índice de satisfação dos brasileiros na compra de produtos eróticos por e-commerce é de até 81%, de acordo com pesquisa recente do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O mercado de produtos eróticos tem crescido de forma acentuada nos últimos anos no Brasil. O setor atingiu a marca de R$ 1,7 bilhões em receitas em 2019, segundo a Abeme. Esse crescimento é atribuído principalmente às vendas on-line, um comportamento do consumidor visto nas estatísticas, já que cerca de 90% das vendas do setor são realizadas pela Internet. 

Laura Yule*, estudante de comunicação da PUC-Rio, sob supervisão dos professores da universidade e revisão de Veja Rio

Publicidade