Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Votação popular para a mostra Rio Choro ficará aberta até o dia 17

A música instrumental que receber mais curtidas entre os 48 semifinalistas selecionados ganhará o Prêmio Waldir Azevedo, no valor de R$ 6 000

Por Agência Brasil Atualizado em 10 mar 2021, 12h14 - Publicado em 10 mar 2021, 12h09

O 6º Rio Choro 2021 – Mostra Virtual Competitiva selecionou 48 semifinalistas para a fase de votação popular, que ficará aberta até o próximo dia 17 no canal do evento no YouTube. A música instrumental com o vídeo que receber mais curtidas ganhará o Prêmio Waldir Azevedo, no valor de R$ 6 000.

+ Rio 456 anos: exposição de fotos virtual mostra antes e depois da cidade

Após dez anos de ausência do cenário musical, a mostra voltou trazendo premiação em dinheiro pela primeira vez, e terá formato virtual, em virtude da pandemia de Covid-19.  Para esta edição, que antes era aberta para compositores em nível nacional, só foi permitida a inscrição de compositores residentes no estado. Ao total, foram 273 inscritos.

No dia 19, será divulgado o vencedor do Prêmio Aldir Blanc para o melhor choro-canção, isto é, choro com letra em português, também no valor de R$ 6 000. Em seguida, a comissão julgadora selecionará doze finalistas, que concorrerão aos prêmios Ernesto Nazareth para o 1º colocado (R$ 12 000), Pixinguinha, para o 2º lugar (R$ 9 000) e Jacob do Bandolim, para o 3º classificado (R$ 6 000).

+ Biblioteca Parque Estadual reabre ao público com visitas controladas

Os nomes dos vencedores serão anunciados no dia 26 de março. Os nove finalistas restantes receberão, cada um, prêmio de participação no valor de R$ 1 000.

Continua após a publicidade

Entre os autores participantes, estão compositores do interior do estado e artistas mais conhecidos como os cantores Cláudio Nucci, Anna Paes e Alfredo Del Penho, o maestro Cristóvão Bastos, o trompetista Silvério Pontes, o sanfoneiro Marcelo Caldi, o violonista Zé Paulo Becker, o pianista Leandro Braga e o flautista Antonio Rocha, entre outros. As inscrições foram gratuitas e se encerraram no dia 14 de fevereiro.

+ Dez nomes femininos do Rio ganham destaque em exposição virtual

História

O Rio Choro foi criado em 2000. A primeira edição contemplou a produção do gênero da época, reunindo a maior parte dos músicos envolvidos – intérpretes e compositores – para uma série de concertos no Espaço Cultural Sérgio Porto, no Humaitá, Rio de Janeiro.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

As obras dos novos compositores foram interpretadas pelos grupos Nó em Pingo D’Água, Galo Preto, Água de Moringa, Rabo de Lagartixa e Trio Madeira Brasil, e os instrumentistas Cristóvão Bastos, Armandinho, Zé da Velha, Silvério Pontes, Henrique Cazes, Andrea Ernest Dias e Bruno Rian.

Com produção de Mário Sève, o Rio Choro 2000 gerou um álbum de partituras com novos choros, que teve distribuição gratuita.

Continua após a publicidade
Publicidade