Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Teatro em casa: três elogiados monólogos para você assistir do seu sofá

O solo A Árvore é estrelado por Alessandra Negrini. O Prazer É Todo Nosso traz a atriz Juliana Martins com direção de Bel Kutner

Por Marcela Capobianco Atualizado em 23 mar 2021, 16h33 - Publicado em 19 mar 2021, 06h00

A Árvore.
O que seria o primeiro solo estrelado por Alessandra Negrini acabou se transformando em um híbrido entre teatro e cinema. Dirigida por João Wainer e Ester Laccava em locações na Serra da Mantiqueira e no centro de São Paulo, a atriz encarna uma personagem que, progressivamente, se converte em estrutura vegetal. Sex. e sáb., 20h. Dom., 19h. R$ 30,00. Ingressos pelo tudus.com.br. Até 18 de abril.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Um Avô que Era um Sonho.
O que você faria se tivesse a chance de reencontrar alguém especial que já morreu? O ator e dramaturgo Pedro Barroso deparou com essa questão ao criar uma cena curta em sala de aula, no curso de direção teatral da UFRJ. A ideia se transformou no monólogo que retrata o encontro imaginário de Pedro com o avô. Sáb. e dom., 18h. Grátis pelo canal do YouTube da Pandêmica Coletivo. Até 28 de março.

+ A corrida da Fiocruz para oferecer vacinas para metade dos brasileiros

O Prazer É Todo Nosso
O Prazer É Todo Nosso: Juliana Martins fala abertamente sobre sexo ./Divulgação

O Prazer É Todo Nosso.

+ Por que as terapias holísticas estão em alta no Rio?

Dirigida por Bel Kutner, Juliana Martins enfrenta o machismo-nosso-de-cada-dia ao falar abertamente sobre sexo e tudo o que o envolve, como culpa, libido e tesão. Inspirado em experiências vividas pela atriz, o texto de Beto Brown — que também assina a trilha sonora — reúne aventuras da luxúria não em cinquenta, mas em 27 tons de cinza. Sáb., 20h. R$ 20,00. Ingressos pelo teatropetragold.com.br. De 3 de abril e 24 de abril.

+ Ovos de Páscoa com alta concentração de cacau são tendência

Continua após a publicidade
Publicidade