Clique e assine por apenas 4,90/mês

Teatro: cinco peças que ganham temporadas em março no Rio

Monólogo sobre um baterista em crise, musical da Broadway e tensão familiar estão entre os espetáculos que iniciam (ou voltam à) jornada nos palcos

Por Marcela Capobianco - Atualizado em 9 mar 2020, 10h49 - Publicado em 6 mar 2020, 12h00

Entre estreias e reestreias, cinco peças ganham nova temporada no Rio. Confira:

O Método Grönholm — Em Busca de um Emprego. Em 2007, Lázaro Ramos participou de uma montagem do espetáculo ao lado da mulher, Taís Araujo. O texto do catalão Jordi Galceran nunca lhe saiu da cabeça — agora, ele fez uma nova tradução e está dirigindo o elenco, formado por Luis Lobianco, Anna Sophia Folch, George Sauma e Raphael Logam. No enredo, uma visão sarcástica sobre o que as pessoas são capazes de fazer para conseguir uma boa vaga de trabalho (70 min). 12 anos. Teatro Prudential. Rua do Russel, 804, Glória. Sexta e sábado, 21h; dom., 20h. R$ 50,00 a R$ 80,00. Até 29 de março.

O Método Grönholm: nova versão, dirigida por Lázaro Ramos, estreia no Teatro Prudential Chico Cerchiaro/Divulgação

 

O Baterista. Em cena, apenas um homem, uma bateria e vários questionamentos filosóficos. Um professor de música que acabou de passar por uma separação depara com alunos exigentes e o instrumento todo desmontado. Antônio Fragoso, do Zorra, encarna o neurótico baterista. A direção é de Diego Molina, também do humorístico global (60 min). 12 anos. Teatro Poeira. Rua São João Batista, 104, Botafogo. Terça e quarta, 21h. R$ 60,00. Até 22 de abril.

Continua após a publicidade
O Baterista: Antonio Fragoso estrela monólogo sobre as dores e delícias da música Daniel de Jesus/Divulgação

Pá de Cal (Ray-Lux). Com texto inédito de Jô Bilac, um dos expoentes da dramaturgia contemporânea, a Cia de Teatro Independente encena esta trama, que revela nuances das relações familiares. O suicídio do membro mais jovem de um clã provoca um encontro forçado em que surgem vários conflitos. Estreia prevista para 12 de março (70 min). 14 anos. CCBB. Rua Primeiro de Março, 66, Centro. Quinta a segunda, 20h. R$ 30,00. Até 20 de abril.

Pá de Cal (Ray-Lux): novo texto de Jô Bilac fala sobre família e representatividade Paula Kossatz/Divulgação

A Cor Púrpura. A versão brasileira do musical da Broadway, assinada por Artur Xexéo, apoia-se na temática racial para tratar da opressão às mulheres. A sofredora Celie (Letícia Soares) foi afastada da irmã Nettie (Ester Freitas) e vive resignada por anos ao lado do marido. A convivência com duas mulheres empoderadas, porém, abre a cabeça da protagonista. A partir de 14 de março (180 min). 12 anos. Teatro Riachuelo. Rua do Passeio, 40, Cinelândia. Sex., 20h; sáb., 16h e 20h; dom., 17h. R$ 50,00 a R$ 150,00. Até 12 de abril.

A Cor Púrpura: musical da Broadway emociona ao tratar da questão racial e do empoderamento feminino Carlos Costa/Divulgação

Simples Assim. Cronista perspicaz, Martha Medeiros se juntou à dramaturga Rosane Lima para transpor algumas de suas histórias para o teatro. As cenas apresentam figuras distópicas e reais, como o casal que só interage pelo celular e a mulher que contrata uma dublê de si mesma. No elenco estão Julia Lemmertz, Georgiana Góes e Pedroca Monteiro (70 min). 12 anos. Teatro dos Quatro. Rua Marquês de São Vicente, 52, Gávea. Sex. e sáb., 21h; dom., 19h. R$ 80,00 a R$ 100,00. Até 29 de março.

Simples Assim: histórias de Martha Medeiros ganham o palco e propõem reflexão com humor Victor Hugo Cecatto/Divulgação
Publicidade