Continua após publicidade

Mergulho na história: Palácio Tiradentes reabre para visitas guiadas

Passeios gratuitos pelo edifício quase centenário acontecem duas vezes por dia, de segunda a sexta, e precisam ser agendados previamente

Por Redação VEJA RIO Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 20 abr 2023, 09h46 - Publicado em 19 abr 2023, 18h19

Depois de três anos fechado para o púbico, o quase centenário Palácio Tiradentes, sede histórica da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), acaba de reabrir, para visitas guiadas agendadas gratuitas, em comemoração ao Dia de Tiradentes, celebrado em 21 de abril.

+ Museus do Rio celebram o dia dos povos indígenas com mostras e oficinas

Os visitantes receberão uma aula da história do Brasil enquanto exploram a arquitetura do prédio, que foi inaugurado em 1926. Os guias são estagiários dos cursos de História, Ciências Sociais e Relações Internacionais, e há a opção do tour em inglês. A visita dura aproximadamente 40 minutos.

Compartilhe essa matéria via:

O agendamento é feito pelo e-mail cultura@alerj.rj.gov.br. Por enquanto, são cem vagas por dia: cinquenta de manhã e cinquenta à tarde, de segunda a sexta, das 10h às 17h.

Continua após a publicidade

+ Lendas vivas: tributos a astros da música ganham os palcos do Rio

O público terá a oportunidade de conhecer o plenário Barbosa Lima Sobrinho, palco de importantes momentos da história da política nacional. A visita também inclui a sala das comissões, a biblioteca (com seu raro acervo) e o Salão Nobre, que ganhou novas cortinas e teve o mobiliário de madeira de lei, estátuas e lustres de época recuperados, entre outros espaços.

+ Após 9 meses em obra, bromeliário do Jardim Botânico é reaberto ao público

Projetado em estilo eclético por Archimedes Memória e Francisco Couchet, o Palácio Tiradentes foi inaugurado em 6 de maio de 1926. Até 1937 e de 1945 a 1960, abrigou a Câmara federal. O hiato aconteceu durante o Estado Novo, quando o Parlamento foi fechado pelo presidente Getúlio Vargas, e o edifício passou a abrigar o Ministério da Justiça e o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), órgão de censura do regime.

Continua após a publicidade

+ Theatro Municipal terá concertos ao meio-dia com ingressos a dois reais

Em 1960, quando a capital do país foi transferida para Brasília, o palácio passou a ser a sede da Assembleia Legislativa do Estado da Guanabara (Aleg), que, 15 anos depois, com a fusão dos estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, passou a se chamar Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). O edifício foi o local de trabalho dos deputados fluminenses até 2021, quando a sede da Alerj foi transferida para o Edifício Lúcio Costa, também no Centro.

Palácio Tiradentes. Avenida Presidente Antônio Carlos, s/nº, Centro. Seg. a sex., 10h/17h. Grátis. É preciso agendar previamente pelo e-mail cultura@alerj.rj.gov.br.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.