Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Museu Casa do Pontal lança financiamento coletivo para erguer jardim

Objetivo da instituição, de mudança para a Barra da Tijuca, é arrecadar R$ 200 mil e plantar 30 000 mudas de vegetação brasileira

Por Marcela Capobianco Atualizado em 15 dez 2020, 16h09 - Publicado em 15 dez 2020, 16h07

As milhares de peças do acervo de arte popular do Museu Casa do Pontal já foram transferidas para a nova sede, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade. O local, cuja inauguração deve acontecer no segundo trimestre de 2021, inicia, agora, uma campanha de financiamento coletivo para que os jardins do espaço possam receber 30 000 mudas de 37 espécies de vegetais brasileiros.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Os jardins do novo museu foram projetos pelo Escritório Burle Marx e a ideia da instituição é plantar de árvores frutíferas a vegetação típica da caatinga.

A primeira meta é arrecadar R$ 75 000,00, para plantar parte dos jardins internos do museu, incluindo o trabalho dos jardineiros e o material. Até esta terça (15), à tarde, a campanha tinha arrecadado cerca de R$ 20 000,00. Ainda faltam 16 dias para o fim do financiamento coletivo.

+ Fim de ano: hotéis cariocas oferecem ceias presenciais

Na segunda etapa, a instituição almeja atingir R$ 200 000,00, para completar a primeira fase dos jardins, internos e externos, numa área de dois mil metros quadrados. Em uma próxima campanha, o foco será o plantio do bosque de dez mil metros quadrados.

Continua após a publicidade

As doações partem de R$ 50,00 e, entre as recompensas, está a possibilidade de ter o nome estampado num painel de agradecimentos no jardim. Para ajudar, acesse o site do museu.

+ Cinco vinhos com bom custo-benefício para a ceia de Natal

Projeto do jardim do novo museu casa do pontal

Museu Casa do Pontal: jardim projetado pelo escritório Burle Marx precisa de ajuda financeira para ser erguidoNum terreno de 14 000 metros quadrados, próximo ao Bosque da Barra, o Museu do Pontal promete desenvolver projetos sociais, ambientais e educacionais.

+ VEJA Rio quer saber: qual a sua praia preferida na cidade?

O edifício, projetado pelos Arquitetos Associados, responsáveis por algumas galerias de Inhotim, foi construído a partir de um rigoroso estudo de sustentabilidade que verificou o caminho do sol ao longo do ano e o regime de ventos, estabelecendo um pé direito de oito metros, janelas com quebra-sol e ventilações cruzadas, que garantem que apenas 30% do prédio precise do uso de ar-condicionado, contribuindo também para a redução da emissão de gases poluentes.  O projeto do novo museu também prevê o reuso da água de chuva para os jardins e a coleta seletiva de todo o lixo.

Continua após a publicidade
Publicidade