Clique e assine com até 65% de desconto

Consciência Negra: Google lança plataforma dedicada à arte afro

Projeto, em parceria com 15 instituições culturais brasileiras, reúne 31 exposições em que a produção artística negra é protagonista

Por Marcela Capobianco Atualizado em 18 nov 2020, 16h30 - Publicado em 17 nov 2020, 14h42

Para marcar o Dia da Consciência Negra, comemorado nesta sexta (20), e celebrar a história e as conquistas da população negra no Brasil, o Google lançou uma plataforma – digital, é claro – dedicada à arte e à cultura afro-brasileira.

+ Saiba os finalistas do prêmio Veja Rio Comer & Beber 2020

O Google Arts & Culture se uniu a quinze instituições culturais do país, como o Museu Nacional de Belas Artes, o MAM Rio e o Instituto Moreira Salles para juntar, num só espaço digital, 31 exposições em que a arte negra é a protagonista. Treze mostras são inéditas, como a coleção de 600 obras digitalizadas do Museu de Arte da Bahia, retratadas pela primeira vez em alta resolução, e a mostra com detalhes da história por trás dessa celebração, explicados pelo Geledés Instituto da Mulher Negra.

Robinho Santana: artista convidado pelo Google retratou ibejis Google/Divulgação

O projeto Consciências Negras também conta uma área dedicada às expressões artísticas e culturais do Porto do Rio – principal porto do tráfico de escravos das Américas, que ao longo do tempo foi transformado num lugar de intercâmbio e convivência através da arte e cultura.

+ Cariocas acreditam que o Rio está distante do futuro que desejam

Continua após a publicidade

O projeto destaca ainda as correspondências e declarações que atestam a dedicação do pintor Cândido Portinari em privilegiar vozes marginalizadas e figuras afro, destacadas pela Fundação Cândido Portinari.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

A nova área do Google Arts & Culture conta ainda com uma iniciativa inédita em parceria com o Museu Afro Brasil em São Paulo. Quatro jovens artistas brasileiros foram convidados para retratar histórias de protagonismo negro pouco conhecidas e que contribuíram para a formação do país. Os trabalhos de Heloisa Hariadne, Pegge, Robinho Santana e Jess Vieira farão parte da página do museu paulista na plataforma do Google. “Dessa forma, celebramos a importância dos artistas negros no mundo e esperamos continuar celebrando a cultura negra no Brasil, tornando-a mais acessível a um público global”, comenta Luisella Mazza, diretora de operações globais do Google Arts & Culture.

+ Carnaval 2021: Liesa marca desfiles para julho

Para acessar o projeto, clique aqui.

Continua após a publicidade
Publicidade