Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Estreias teatrais: pós-verdade e violência doméstica viram temas de peças

De fábula inspirada em assuntos contemporâneos a experiência on-line gratuita para crianças e adolescentes, há opções para todos os gostos

Por Marcela Capobianco Atualizado em 27 jul 2021, 17h17 - Publicado em 27 jul 2021, 14h17

Assuntos extremamente atuais como a disseminação de notícias falsas e a violência doméstica ganham os palcos – físico e virtuais – esta semana no Rio. Confira o que vem por aí na cena teatral.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Pança.

ator com máscara de narigão
Pança: espetáculo usa máscaras da comédia dell’arte e trata de temas caros à sociedade pós-moderna Thaís Grechi/Divulgação

Munidos de duas máscaras – uma cirúrgica e uma daquelas típicas da comédia dell’arte -, cinco atores constroem uma fábula acerca de uma questão muito cara hoje em dia: o veloz e caótico compartilhamento de informações.

Com estrutura cômica e farsesca, Pança acompanha um talentoso e endividado escritor que, em seu pequeno vilarejo, ouve falar na nova invenção da capital: a máquina de imprensa. Com desejo de ampliar a venda de seu último romance e enriquecer, o protagonista se endivida ainda mais para conseguir comprar a tal copiadora mecânica.

+ Ludmilla: “Racistas não aceitam que cheguei ao topo”

Cheia de peripécias e reviravoltas, a trama é uma clara metáfora sobre a atualidade, em que cada um consegue criar (e acreditar na) própria verdade. Cecilia Ripoll assina texto e direção, supervisionada por Eduardo Vaccari.

No elenco estão André Marcos, Clarisse Zarvos, Diogo Nunes, Julia Pastore e Ademir de Souza. O espetáculo terá uma curta temporada presencial no Teatro Glaucio Gill, em Copacabana, e em seguida migra para as plataformas digitais.

Praça Cardeal Arcoverde, s/nº, Copacabana. Sex. (30) a seg. (2 de agosto). R$ 10,00. Ingressos pela Sympla. cultura.rj.gov.br. Temporada on-line: qui. (5) a seg, (9), 19h. Grátis, pelo canal do YouTube do espetáculo Pança.

+ Três monólogos em cartaz de forma presencial no Rio

Continua após a publicidade

Cascavel.

Atrizes Carol Cezar e Fernanda Heras no palco, sentadas em cubo
Cascavel: Carol Cezar e Fernanda Heras encenam episódios de violência doméstica Enrique Espinosa/Divulgação

Baseado em histórias reais, o texto da inglesa Catrina McHugh, de 2015 ficou ainda mais atual, frente ao aumento da violência doméstica durante a pandemia.

Em cena, Carol Cezar e Fernanda Heras expõem os diferentes tipos de abuso que podem existir em relacionamentos.

A direção é de Sérgio Ferrara.

Estreia: 29 de julho, 19h30. O espetáculo pode ser assistido a qualquer horário até 22 de agosto. Grátis, com contribuição voluntária. Acesso pela Sympla.

+ Mistérios noturnos dão o tom de espetáculo dirigido por Yara de Novaes

A Misteriosa Luz da Casa Verde.

Estrelada por alunos da Escola de Teatro Solar Meninos de Luz, projeto socioeducacional das comunidades do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, na Zona Sul do Rio, a peça infantojuvenil acontece de forma remota.

Paulinho, um menino aventureiro, morre de saudades da avó. Um dia, ele vai em busca de recordações e acaba sendo transportado para um mundo novo. Será que o garoto vai conseguir encontrar o que buscava? O texto é de Jorran Souza e a direção artística é de Cheila Oliveira.

Sábado (31), 15h. Grátis. Pelo canal do YouTube do Solar Meninos de Luz.

Continua após a publicidade

Publicidade