Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Escola do Parque Lage inicia semestre com aulas abertas pela internet

Professores como Anna Bella Geiger, Bernardo Magina e Charles Watson vão abordar criação e crítica na arte

Por Marcela Capobianco 22 fev 2021, 12h29

Ainda funcionando de forma remota por causa da pandemia, a Escola de Artes Visuais do Parque Lage vai iniciar o semestre na próxima sexta (26), com uma série de aulas on-line abertas ao público em geral.

+ Anna Bella Geiger: “Parque Lage é o passeio perfeito no Rio”

Os encontros virtuais giram em torno do tema Por que estudar arte hoje? e vão abordar a potência da imaginação, da criação e da crítica nas artes plásticas.

A arte, a partir das experiências contemporâneas e históricas, será abordada como um terreno complexo, híbrido – altamente afetado pelas transformações sociais em curso. Criada de maneira coletiva, a programação aposta no cruzamento entre professores de áreas distintas.

Entre sexta (26) e domingo (28), as palestras on-line serão sempre em dupla ou trio de professores, com transmissão pelo canal do YouTube da escola. Já entre os dias 1º e 5 de março, todos os links de acesso aos cursos on-line oferecidos pela Escola de Artes Visuais estarão disponíveis gratuitamente.

+ Patricia Lins e Silva: as escolas depois da pandemia

Confira a programação completa:

Sexta (26):

11h:
Videoarte e filme de artista
Anna Bella Geiger e Marcos Bonisson

A partir de suas práticas artísticas e de ensino, os professores comentam suas trajetórias e produções atuais de artistas que trabalham com videoarte e filme de artista.

14h:

Cotidianos e práticas artísticas
Anna Costa e Silva, Millena Lízia e Walla Capelobo

Quais dimensões cotidianas e sociais atravessam as práticas artísticas? Nesta conversa, as professoras investigam estas proximidades e distanciamentos e como a/o artista se posiciona poeticamente e politicamente neste debate.

16h:

Qual a dimensão do som na atualidade?
Ana Emerich e Manata Laudares

A partir de suas práticas artísticas e de ensino os professores abordam o som em suas múltiplas relações com o campo estético, atualizando o debate em torno das urgências contemporâneas.

18h: Charles Watson entrevista Luiza Crosman

O professor Charles Watson entrevista a artista e ex-aluna Luiza Crosman abordando sua produção recente, seus métodos e práticas de criação e pontos importantes de sua trajetória.

+ Nova licitação da Linha Amarela será concluída até junho, diz Eduardo Paes

Sábado (27):

10h:

Continua após a publicidade

Por que inventar arte hoje?
Daniela Seixas e Deise Alcantara

As professoras do curso Arte no Parque convidam seus alunos para pensar a arte como ferramenta de invenção de mundos, refletindo também sobre os novos desafios para a criação coletiva em tempos de ensino remoto.

14h:

Corpo, performance e ritual
Camilla Rocha Campos e Nadam Guerra

A inserção do corpo e da performatividade nas práticas artísticas em suas dimensões ritualísticas, estéticas e cotidianas serão o mote desta conversa.

16h:

Formas, figuras e abstrações
Paulo Couto e Valerio Ricci Montani

Nesta conversa serão abordados temas fundamentais em torno da composição visual na prática artística dos pontos de vista históricos, sociais e estéticos.

18h:

Relações: ciclos e processos artísticos
Iole de Freitas e Mariana Manhães

Mariana Manhães partilha com Iole de Freitas as permanências e atualizações em torno das reflexões sobre o acompanhamento de processos artísticos de alunos, a partir de sua trajetória como sua ex-aluna até se tornar professora da EAV Parque Lage.

Domingo (28):

16h:

Pintura hoje
Bruno Miguel e Luiz Ernesto

Quais as urgências e ressonâncias dos trabalhos de pintura na atualidade? Um dos meios mais tradicionais do campo da arte, a pintura se mantém até hoje atualizada e em constante transformação. A partir de suas práticas artísticas e práticas de ensino os professores analisam estas e mais questões.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

18h:

Outras pinturas
Bernardo Magina e Clarissa Diniz

Para além dos grandes nomes recorrentemente citados na historiografia tradicional da arte brasileira, os professores comentam a importância da pesquisa e difusão sobre o trabalho e trajetória de pintores e pintoras cuja relevância permanece invisibilizada.

Continua após a publicidade
Publicidade