Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Chorinho do Recreio: roda agita manhãs de moradores e turistas ao ar livre

Elaborado por alunos da PUC-Rio, minidocumentário acompanha músicos e frequentadores da Praça do Parcão, ponto de encontro de choristas

Por Clara Behrens e Maria Fernanda Guerra* Atualizado em 24 jan 2022, 11h07 - Publicado em 24 jan 2022, 08h15

O choro é um estilo musical que remonta ao século XIX. Com sua mistura de ritmos, tornou-se tipicamente brasileiro. Considera-se que sua origem esteja ligada às celebrações e às reuniões de ex-escravos que vinham da Bahia para o Rio de Janeiro, após a abolição da escravatura. 

+ Prefeitura promete integrar ciclovias, ciclofaixas e transporte público em 2022

Atualmente um dos pontos de encontro de choristas está localizado no Recreio dos Bandeirantes. Mais precisamente na praça Augusto Ruschi, também conhecida como a “Praça do Parcão”. Lá basta um pandeiro e um cavaquinho para animar o Recreio com o chorinho de um grupo musical composto por amadores e profissionais do estilo.

Os alunos de jornalismo Alex Braga, Arthur Bomfim e Júlia Pinna, coordenados pelo professor do Laboratório de Telejornalismo da PUC-Rio Luís Nachbin, decidiram registrar em um mini documentário a alegre roda de choro, que tem lugar na praça aos domingos das 10h às 13h, reunindo moradores, amigos e familiares. 

Compartilhe essa matéria via:

Com a retomada de eventos culturais na cidade, a roda de chorinho ocorre semanalmente ao ar livre para uma confraternização mais segura. Na praça do Parcão, a ideia é agregar convidados e a tradição cultural de músicos e amadores de diferentes lugares, gerações e estilos.

Um exemplo dessa participação é o caso contado no documentário pelo idealizador da roda, em que um pianista austríaco vem visitar sua família no Rio e acaba mostrando seu talento na roda para os frequentadores numa dessas manhãs de domingo. Outro episódio foi o da japonesa Katsumi, casada com um brasileiro e encantada pela MPB. Era passista no Japão e, ao conhecer a roda do choro, mostrou seus dons com acordeon, piano e samba no pé. 

Continua após a publicidade

+ A arte transformadora de fotografar a Rocinha

Os moradores da região costumam levar cadeiras para se sentar e organizam piqueniques se divertindo em torno da praça. A motivação dos organizadores ao criar essa roda do choro no Recreio era promover um espaço de lazer que não era comum na Zona Oeste. “É na roda de samba que a memória da cidade e seus costumes são resgatados”, afirma Marcio Rondon, um dos organizadores da roda. 

 “A intenção do grupo ao retratar o chorinho é de responder à sociedade com arte, dado o momento delicado que estamos passando, querendo mostrar um outro Brasil, um país feliz, solidário, do Carnaval, bem visto lá fora; um Brasil que a gente quer, que partilha seus dons e talentos com empatia e solidariedade”, acredita o aluno documentarista Alex Braga.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Veja também os outros documentários da série sobre música underground no Rio:

🎧 Acesse o podcast Underground & Nem Tanto para conferir reportagens em áudio sobre o tema.

*Clara Behrens e Maria Fernanda Guerra, estudantes de jornalismo da PUC-Rio, sob supervisão de professores da universidade e revisão final de Veja Rio. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado, com Blogs e Colunistas que são a cara da cidade.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

App Veja para celular e tablet, atualizado mensalmente com todas as edições da Veja Rio

a partir de R$ 12,90/mês