Clique e assine por apenas 3,90/mês

Casa Roberto Marinho reabre neste sábado (5) com entrada gratuita

Espaço no Cosme Velho exige que visitantes façam reserva pelo site, para evitar aglomerações

Por Marcela Capobianco - Atualizado em 4 set 2020, 16h16 - Publicado em 4 set 2020, 16h14

A Casa Roberto Marinho vai reabrir ao público neste sábado (5), no primeiro fim de semana após a liberação da prefeitura para museus e centros culturais.

O protocolo local prevê aferição de temperatura na entrada e o distanciamento de dois metros orientado entre o público.

+ Veja Rio Recomenda: novidades no Museu do Amanhã e peça com Lilia Cabral

A exposição O Jardim, com curadoria de Lauro Cavalcanti, que foi interrompida em março, será exibida até o dia 13 de setembro. Reunidas na mostra, estão xilogravuras, objetos e serigrafias de Angelo Venosa, Beatriz Milhazes, Carlito Carvalhosa, Hilal Sami Hilal, Iole de Freitas, Luciano Figueiredo, Maria Bonomi, Paulo Climachauska, Regina Silveira, Suzana Queiroga e Vânia Mignone.

Casa Roberto Marinho: exposição O Jardim tem peças de Angelo Venosa, Vania Mignone e Beatriz Milhazes, entre outros Jaime Acioli/Divulgação

+ Confeitaria vegana promove festival do morango

A visitação vai acontecer em quatro horários pré-determinados: 12h, 13h30, 15h e 16h30, com circulação simultânea de apenas oitenta pessoas por vez.

Continua após a publicidade

Nesta reabertura, a Casa não terá cobrança de ingresso, mas há exigência de reserva prévia no site da instituição, como forma de controle de fluxo. O visitante efetua a reserva e recebe um código de acesso ao instituto através do e-mail cadastrado. O serviço de bilheteria está temporariamente suspenso. A gratuidade vai vigorar até 4 de outubro.

+ Teatro on-line: oito peças para assistir pela internet no fim de semana

Pontos de álcool em gel estão distribuídos pelos espaços e o uso de máscara de proteção é obrigatório.

“A Casa Roberto Marinho será reaberta com todos os cuidados devidos, para que o público se sinta seguro e resgate a sensação de prazer oferecida pelos diversos espaços da Casa, que funciona como um oásis em meio à cidade. A possibilidade de retomar o contato presencial com a natureza e com a arte é o convite desta reabertura”, diz Lauro Cavalcanti, diretor do instituto.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

A casa conta com um cinema que vai operar com um terço da capacidade. Todas as poltronas serão recobertas por capas de marcação e proteção, que simultaneamente indicarão as posições disponíveis e serão trocadas a cada sessão.

Continua após a publicidade
Publicidade