Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Obrigatoriedade do uso de máscaras em locais abertos pode cair no Rio na próxima terça (26)

Previsão depende que 65% da população adulta esteja vacinada para se concretizar. Índice chegou a 61%

Por Paula Autran 18 out 2021, 18h58

Os cariocas estão perto de ficar livres do uso obrigatório de máscaras em locais abertos. Prestes a alcançar 65% da população adulta imunizada com as duas doses ou com a dose única da vacina contra o coronavírus – segundo dados oficiais do Painel Rio Covid, da prefeitura, a capital já chegou a 61% -, a previsão da prefeitura é de que isso possa acontecer na próxima terça (26). “Isso, é claro, vai depender do ritmo de vacinação. Vale lembrar que 140 000 moradores do Rio estão com a segunda dose atrasada”, ressalva o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

+ Novo decreto: Rio libera capacidade máxima de cinemas, teatros, shoppings e eventos

Será o início da segunda etapa do processo de reabertura da prefeitura, prevista para o momento em que a cidade chegará a ter 80% de sua população vacinada. Com a superação da primeira fase, quando chegamos a 70% dos adultos vacinados (ou 70% da população total), as escolas, academias, cinemas e teatros puderam reabrir com 100% da ocupação, mas ainda com uso de máscaras.

+ Covid: pela primeira vez, todos os municípios do Rio possuem risco baixo

O passo seguinte será quando 90% da população adulta estiver imunizada, o que corresponde a 75% da população. A expectativa é a de que este momento chegue já em novembro. E as máscaras não precisarão ser usadas obrigatoriamente nem em lugares fechados, exceto no transporte público e em unidades de saúde.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

“Estamos na oitava semana de queda no número de casos registrados e o índice de transmissão chegou à sua menor taxa: 0,65%. Com este cenário epidemiológico mais favorável podemos ir derrubando as medidas restritivas aos poucos. Mas claro que se tivermos um aumento no número de casos, uma nova variante ou perda na eficácia das vacinas vamos rever as medidas”, explicou Soranz.

Continua após a publicidade

Publicidade