Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

“O termo genocídio, por pior que pareça, me soa insuficiente”

"Não há palavra na língua portuguesa que dê conta da barbárie a que estamos assistindo", reflete a atriz e escritora na crônica da edição de março

Por Maria Ribeiro Atualizado em 19 mar 2021, 09h47 - Publicado em 19 mar 2021, 06h00

No meio do caminho havia 2 000 corpos. Havia 2 000 corpos no meio do caminho. Escrevo esta coluna sob o peso da morte — e aqui tomo coragem para reproduzir essa sequência devastadora de números — de 2 349 brasileiros. Isso, em míseras — e, ao mesmo tempo, infindáveis — 24 horas.

Vinte e quatro horas, um dia, 1 440 minutos. Eu sei, você não aguenta mais esse assunto. Eu também não. Queria falar da Gávea, e de como há pedaços do Rio que ainda me lembram dos motivos de continuar morando aqui; do livro Vista Chinesa, comovente texto da Tatiana Salem Levy sobre um episódio de estupro sofrido por uma carioca corajosa e inspiradora (e de como a arte pode ressignificar nossas dores); e, por último, queria falar também do amor especial que sempre dediquei ao mês de março, e que desta vez — Tom Jobim que me perdoe — ainda não veio.

+A corrida na Fiocruz para produzir vacina para metade dos brasileiros

Havia 2 000 corpos no meio do caminho. De fevereiro de 2020 pra cá, perdemos mais de 270 000 conterrâneos. Em um ano de pandemia — lembro do 13 de março como lembro do 11 de setembro, com todos os detalhes — já passamos por várias temporadas dessa série macabra, mas, como o último episódio ainda parece um sonho distante, sugiro que nos tornemos todos roteiristas, antes que percamos de vez o pouco que nos resta de humanidade.

Moro ao lado de uma escola. A novidade deste mês foi vê-la em atividade. Mudei há poucos meses, e estava acostumada com a vista de pátio e quadra vazios. A chegada das crianças — e são meninas e meninos de 2, 3, 4 anos — transformou minha paisagem externa e interna. Sei que o assunto é controverso, e muita gente séria é contra o retorno das aulas presenciais, mas eu tenho vontade de chorar de alegria toda vez que vejo os pequenos correndo e gritando no recreio — em vez de sozinhos, em casa, diante de uma tela de computador.

+Uma das mais importantes coleções de arte contemporânea do mundo chega ao CCBB

Desde que voltei a trabalhar, em fevereiro, é como me sinto. Nas gravações da segunda temporada da série Desalma, da Globoplay, o protocolo é rígido. Além da máscara, todos no estúdio usam macacões por cima da roupa pessoal (e também aquela viseira de plástico que faz uma barreira na frente do rosto e que só atende por seu nome em inglês). Todos, menos nós. Testados mais de uma vez por semana, os atores têm a sorte de, ao menos nos instantes em que as câmeras estão ligadas, fingir que o mundo ainda é mundo. Eu me sinto uma criança no recreio depois de dois tempos seguidos de matemática.

Continua após a publicidade

“O presidente não é capaz de estar à frente de um país, com ou sem pandemia. A diferença é que, diante da Covid-19, sua incapacidade mata, porque vem acompanhada de arrogância”

Agora, no entanto, mais do que nunca, é hora de sermos adultos. Pouco importa quem votou ou não nesse sujeito, essa conta fica pra depois. A água chegou à cintura, 2 000 pessoas estão morrendo todos os dias na cadeira ao lado. Somos a maior média de mortes diárias em todo o mundo, uma espécie de campanha anti-Pelé e João Gilberto enterrando futebol e violão cada vez mais fundo.

Não há palavra na língua portuguesa que dê conta da barbárie a que estamos assistindo. O termo genocídio, por pior que pareça, me soa insuficiente. Jair Bolsonaro não planeja exterminar esse ou aquele grupo específico de pessoas, etnias ou culturas — embora, mais uma vez, Brasil sendo Brasil, os pobres estejam, como há 500 anos, sofrendo mais do que os ricos. O presidente simplesmente não é capaz de estar à frente de um país, com ou sem pandemia. A diferença é que, atualmente, diante da Covid-19, sua incapacidade mata, porque vem acompanhada de arrogância.

+Por que Mulheres que Correm com os Lobos voltou às listas dos mais lidos?

Na peça Um Inimigo do Povo, do norueguês Henrik Ibsen, que fiz com Domingos de Oliveira vinte anos atrás, há uma frase, a respeito da democracia, que sempre questionei e que hoje me parece evidente: “O direito pertence à inteligência”. E a inteligência, que, obviamente pode ser traduzida de inúmeras formas além da acadêmica, nesse caso em particular, de 2021, tem um único e indiscutível nome: ciência.

Miguel Nicolelis, neurocientista e voz comprometida nas previsões sobre o novo coronavírus no Brasil desde o início, tem defendido com veemência um lockdown absoluto nos próximos 21 dias. Além dos colapsos hospitalar e funerário, Nicolelis fala de um colapso da civilização. “Não há jeitinho na guerra”, repete.

+Room office: o home office com cara de hotel está em alta no Rio

Estamos na metade do mês de março. O ano é 2021. Meu filho mais velho faz 18 anos no próximo dia 30 — mesmo dia em que seu pai se vacina —, o outono vem chegando com a sua luz suave, as crianças da escola vizinha correm atrás da infância perdida. Mas há 2 000 corpos no meio do caminho.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade