Clique e assine por apenas 4,90/mês

Covid-19: em UPAs do Rio, infecções caíram dez vezes em relação ao ápice

Pesquisa da UFRJ, do Laboratório Central Noel Nutels e do HemoRio aponta que a prevalência atual de contaminações pelo vírus nestes ambientes é de 8%

Por Carolina Barbosa - 16 jul 2020, 13h05

Resultados preliminares de um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), do Laboratório Central Noel Nutels e do Hemorio apontam que a incidência de infecção pelo novo coronavírus em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da capital atualmente é de 8%.
As taxas ainda são altas, ainda que signifiquem uma redução considerável em relação ao ápice da pandemia, quando o índice chegou a quase dez vezes mais nas UPAs do Rio, entre o fim de abril e meados de maio.

+Covid-19: Rio chega a mais de 134 mil casos confirmados da doença

No interior do estado, a média de contaminação nas UPAs é de 18%, ainda considerada muito elevada. A pesquisa tenta jogar luz sobre o curso da Covid-19 no estado fluminense e utiliza a UPA como referência para a amostragem, justamente por ela representar o termômetro da intensidade da pandemia, uma vez que, no SUS, a população logo a procura. Pesquisadores envolvidos no estudo alertam para a tendência de que a pandemia se torne endêmica e cause surtos menores, o que só acabaria com a vacina, claro.

+Academias: aprovado projeto de lei que proíbe cobrar multa por rescisão

A fim de investigar a hipótese de que o Sars-CoV-2 em circulação agora é menos agressivo, o Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ busca analisar o genoma do coronavírus em circulação no início da pandemia no Rio, em março. O objetivo é compará-lo,  posteriormente, com o isolado de amostras coletadas recentemente.

Continua após a publicidade

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Publicidade