Continua após publicidade

Bares de Botafogo comemoram retomada da vida noturna

Com o avanço da vacinação na cidade, frequentadores voltaram a ocupar os restaurantes, bares e calçadas do bairro

Por Clara Vieira, Débora Barbosa e João Gabriel*
Atualizado em 15 dez 2021, 11h27 - Publicado em 15 dez 2021, 11h21

Impulsionada com o avanço da vacinação contra a Covid, a retomada da vida noturna se expande em polos como as imediações da Arnaldo Quintela, em Botafogo. Enquanto se discute, por exemplo, a aplicação do passaporte vacinal e a extensão do réveillon, o burburinho volta a ecoar com mais força em restaurantes, bares, calçadas.  

+ Circo Voador: digital incrementa retomada dos shows presenciais

O movimento recupera o frescor social e os negócios asfixiados por meses de retração ou mesmo de suspensão das atividades, sobretudo durante a quarentena, na fase aguda da pandemia. “Mês passado foi o nosso maior faturamento desde que a gente abriu a casa, em três anos”, anima-se Eduardo Gomes, sócio do Porco Amigo. 

Como a maioria desses comércios, o bar suspendeu o atendimento presencial durante boa parte da crise sanitária. Determinante à sobrevivência nesse período, a entrega em domicílio fez tanto sucesso que se transformou num serviço fixo. Revela-se tão importante quanto a comemorada volta das atividades presenciais, avalia o empresário. 

O agito de fim de ano e a proximidade das férias têm lotado sistematicamente bares e restaurantes daquela área, assim como se observa no Baixo Leblon e em pontos de Ipanema e Copacabana. Ainda de acordo com Eduardo, o público crescente supera a expectativa e exige (felizmente) mais empenho profissional: “Estamos trabalhando mais do que antes para conseguir atender a elevada demanda”. 

Continua após a publicidade

+ Do peru à rabanada: onde fazer encomendas para as ceias de fim de ano

Aos habituais clientes, somam-se calouros na noite carioca – boa parte deles embalada pela vontade ou necessidade de espanar a poeira do confinamento. O estudante da UFRJ Victor Bastos, de 18 anos, é um dos que passaram a se aventurar na vida noturna. Ele conta que só recentemente começou a frequentar bares e espaços públicos. Não tinha esse costume antes da pandemia.

“Ficar obrigatoriamente em casa me fez perceber a falta que sair à noite me fazia. Resolvi que não iria desperdiçar nem mais um dia depois da liberação”, justifica. 

O desejo reprimido pela abstinência forçada se estende a notívagos como Antônio Cipoleta. Ávido frequentador do Porco Amigo, ele “não via a hora de voltar a sair às ruas depois de passar tantos meses isolado em casa”. Cipoleta percebe um progressivo avanço do movimento após o início da vacinação.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Já Lucas Moreira, estudante de Economia na PUC-Rio, não pretende, por ora, juntar-se a esse público. Mesmo tendo tomado duas doses da vacina, o morador do Jardim Botânico não se sente “preparado para voltar a frequentar seus bares prediletos”. Ele ainda teme ser contagiado pelo Covid-19, principalmente em meio às constantes notícias de novas variantes. “Só volto [aos bares] quando o Brasil todo estiver vacinado”, condiciona o jovem.

A relutância, ou prudência, de Lucas é acompanhada por outros tantos consumidores divididos entre a vontade de retomar plenamente os programas em bares, restaurantes, shows, boates, e as precauções impostas por uma crise sanitária que, embora mais próxima do controle, ainda não foi erradicada. Tanto que o reaquecimento da noite carioca não dispensa cuidados como usar máscara e evitar aglomerações

*Clara Vieira, Débora Barbosa e João Gabriel, estudantes de jornalismo da PUC-Rio, sob supervisão de professores da universidade e revisão final de Veja Rio. 

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Tudo o que a cidade maravilhosa tem para te
oferecer.
Receba VEJA e VEJA RIO impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.