Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Alô, Ramos! Bar da Portuguesa é o mais novo Patrimônio Cultural do Rio

Aberto em 1968, o boteco é conhecido pelo tradicional bolinho de bacalhau e tinha como freguês ilustre o maestro Pixinguinha (1897-1973)

Por Carolina Barbosa 14 set 2021, 12h22

Vejam só: o Rio tem mais um patrimônio cultural na lista. Desta vez, o recém-chegado é o tradicional Bar da Portuguesa, botequim aberto em 1968 em Ramos, na Zona Norte. Neste domingo (12), a placa azul que identifica os redutos considerados patrimônio da cidade foi fixada na fachada do estabelecimento.

+Vai um japa? Vem aí um novo reduto nipônico em Ipanema; veja

A honraria contou com a participação do prefeito Eduardo Paes, claro, que segurou sua caipirinha, declamou versos de Nelson Cavaquinho e defendeu até bandeja de chope, e do subprefeito da Zona Norte, Diego Vaz, entre outros.

O reconhecimento: placa azul foi fixada neste domingo (12)
O reconhecimento: placa azul foi fixada neste domingo (12) Instagram/Bar da Portuguesa/Reprodução

“Os botecos são locais de celebração da vida do suburbano carioca. E as formas de comemorar o hoje ao longo dos anos nos bares nos deram patrimônios incríveis sejam na forma de beber, cantar, comer… Isso é a nossa cultura, nossa história que hoje felizmente temos o prazer de reconhecer como patrimônio cultural em vida a partir do empoderamento de uma grande mulher suburbana “, diz Vaz, referindo-se à proprietária portuguesa Donzilia Gomes, conhecida como Dondon pelos mais íntimos.

+Após sucesso da matriz, na Barra, bar da Alcione ganhará filial no Catete

Com a chancela, o Bar da Portuguesa passará a integrar o Circuito dos Botequins do patrimônio carioca, um projeto iniciado em 2010 pela Prefeitura do Rio. O endereço é o 27º a figurar nesta relação, que conta com bares de tradição como Casa Paladino, o Nova Capela, Bar Adonis e Adega Pérola.

Bolinho de bacalhau: salgadinho fez a boa fama local
Bolinho de bacalhau: salgadinho fez a boa fama local Instagram/Bar da Portuguesa/Reprodução

Com mais de cinco décadas de serviços prestados, o boteco é conhecido pelo tradicional bolinho de bacalhau e também pelo jiló e pela crocante sardinha frita. O negócio coleciona boas histórias. Entre seus fregueses assíduos estava o maestro Pixinguinha (1897-1973), cuja escultura, assinada pelo cartunista Ique, enaltece a porta do bar, local em que ele costumava passar horas boêmias.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

 

Continua após a publicidade
Publicidade