Imagem Blog

Vinoteca

Por Marcelo Copello, jornalista e especialista em vinhos Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Marcelo Copello dá dicas sobre vinhos
Continua após publicidade

Saiba quanto açúcar há nos espumantes que você bebe

Os exemplares que degustamos hoje têm sua doçura muito bem definida e classificada. No passado, contudo, os níveis de eram outros!

Por Marcelo Copello Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 3 ago 2020, 11h44 - Publicado em 31 jul 2020, 10h01

Os espumantes que bebemos hoje tem sua doçura muito bem definida e classificada. No passado contudo os níveis de eram outros, bem maiores, chegando a níveis surpreendentes!

A maioria dos espumantes produzidos hoje no mundo está nas categorias seco (Brut) e meio doce (Demi-Sec). Veja a legislação para a doçura dos espumantes no Brasil e na Champagne-França

BRASIL

Nature             até 3

Continua após a publicidade

Extra-Brut        3,1 a 8

Brut                 8,1 a 15

Sec/Seco        15,1 a 20

Continua após a publicidade

Demi-sec         20,1 a 60

Doce               60,1 a 80

CHAMPAGNE

Continua após a publicidade

Nature             até 3

Extra-Brut        até 6

Brut                 até 12

Continua após a publicidade

Extra Dry         12 a 17

Sec                  17 a 32

Demi-sec         32 a 50

Continua após a publicidade

Doux               Acima de 50

Mas nem sempre foi assim. Você sabia que antigamente o champagne era uma bebida eminentemente doce? Os teores de açúcar foram caindo ao longo da história.

Até os anos 1920 era comum que a dosagem do champagne fosse determinada pelo mercado a que destinava. Em vez do uso de termos brut ou demi-sec, usava-se: goût anglais, goûtaméricain e goût français (respectivamente “gosto inglês”, “gosto americano” e “gosto francês”), em ordem crescente de doçura.

Estes valores variaram ao longo da história, mas há registros de que no fim do século XIX estes valores seriam de, para ingleses – 22 a 66 g/l; americanos – 110 e 165 g/l; e franceses – 165 a 200 g/l. As de “gosto francês” eram as mais exportadas para a Rússia, por exemplo, onde a preferência era pelos mais açucarados.

Lembro que hoje praticamente todos os espumantes do mercado estão abaixo dos 50g/l e que um Sauternes contém cerca de 100-150 gramas e que um refrigerante, tipo Coca-Cola, tem pouco mais de 100 gramas de açúcar por litro. Ou seja, antigamente os Champagnes eram mesmo muito doces!

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.