Imagem Blog

Vinoteca

Por Marcelo Copello, jornalista e especialista em vinhos
Marcelo Copello dá dicas sobre vinhos
Continua após publicidade

As melhores cervejas da Austrália

As melhores cervejas da Austrália

Por Marcelo Copello Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 26 abr 2017, 18h07 - Publicado em 26 abr 2017, 18h07

Por Marcelo Copello

Muito já escrevi sobre os vinhos australianos, dos quais gosto muito. Em uma visita a Austrália, contudo, percebi que a bebida nacional é outra.

Para um australiano, a escolha da marca predileta de cerveja passa, não pelo palato, mas pelo coração. É um ato de paixão, como torcer por um time de futebol, no caso um time de cricket.
Apesar do vinho estar ganhando popularidade entre os australianos e já ser um importante item nas exportações, a cerveja ainda é a bebida típica por excelência. Cada australiano consome por ano 80 litros da louríssima, contra 20 litros de vinho.

A cultura da cerveja aqui é muito forte. Pode-se dizer muito sobre um australiano pela cerveja que ele bebe. Pode-se dizer de que estado ele é e o que pensa de si mesmo, de que classe social é, ou acha que é, ou até mesmo quem ele está querendo impressionar. A cerveja aqui define quem e onde você está.

Bebe-se e produz-se o suco de cevada na Austrália desde os primeiros anos após seu descobrimento, em 1788. Desde então, a fronteira de cada estado sempre definiu as fronteiras do gosto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
Em Queensland, cuja capital é Brisbane, desde o século XIX, bebe-se a XXXX Bitter Ale, ou “four-X” como é chamada, uma cerveja do tipo ale (mais encorpada), de rótulo amarelo, com 4,8% de álcool, dourada, com amargor bem pronunciado, aromas de lúpulo, leveduras e amêndoas. A origem do nome é interessante: desde os tempos medievais, quando a produção de cerveja era restrita aos monastérios, o “X” (o sinal da cruz) era um símbolo de pureza nas bebidas alcoólicas. O número de “X” identificava a força da bebida. Os moradores de outros estados zombam dos “queenslanders” dizendo que estes preferem a XXXX pois é a única que conseguem pedir, já que não conseguem pronunciar a palavra “cerveja”. Já os locais replicam dizendo que tudo se trata de inveja dos “cockroach” (baratas), como chamam o pessoal do sul, já  que não podem a apreciar a “four-X” adequadamente, em seu local de origem, a beira das praias belíssimas da região, como a de Surfers Paradise.

Continua após a publicidade

Em New South Wales (NSW) e na sua capital Sydney, existe uma antiga rivalidade entre as cervejarias Tooths e Tooheys, no caso entre suas marcas Reschs e Tooheys Red Bitter. A Tooheys, fundada em 1865 pelos irmãos John Thomas e James Matthew Toohey, ganha de longe em popularidade, a Tooheys Red Bitter, é uma lager encorpada, sem aditivos, cor de ouro velho, com 4,3%.

NSW também é a terra da Hahn Brewing, uma cervejaria jovem, fundada em 1987, com os equipamentos mais modernos e seguindo sempre a lei de pureza alemã de 1516. Em 1993 foi comprada pela Tooheys, o que não influiu na qualidade do produto. Sua Hahn Premium Lager é excelente, límpida, aromática, com 5,0% de álcool e um final marcado pelo gosto agradável de lúpulo. Aqui, se você for, digamos, riquinho, ou quiser parecer mais sofisticado, peça uma Hahn  ou uma importada, como a belga Stella Artois.

O estado de Victoria é onde fica Melbourne, que protagoniza com Sydney uma novela histórica de bairrismo, onde a cerveja tem um importante papel. É daqui a Forster, maior empresa do setor, que recentemente têm adquirido algumas vinícolas. Sua marca Foster’s Lager, embora seja pouco consumida em seu próprio país, é sinônimo de cerveja australiana no exterior.

Uma outra marca da Foster, a Victoria Bitter, detém um terço de todo o mercado e está se tornado a primeira cerveja de aceitação nacional. Com muitos apelidos: “VB”, “Victor Bravo”, ou simplesmente “Vitamina B”, esta é a cerveja que uniu a nação. Se você estiver na dúvida de qual a marca correta a pedir, escolhaça simplesmente a “VB”, mais clara e leve (e, devo dizer, menos saborosa) que as cervejas tradicionais, com 4,9% de álcool e doçura presente.

Em South Australia (SA) ou você é West End ou é Coopers. Quem prefere a West End vê quem bebe Coopers como uma “vítimas da moda”, que nunca trabalhou duro na vida. Enquanto o adepto da Coopers vê os que bebem a West End como rudes estivadores. Disputas a parte, no paladar, enquanto a West End Draught tem um caráter mais maltado e amargo, a Cooppers Original Pale Ale, por passar por uma segunda fermentação na garrafa, deixa um resíduo natural de leveduras no fundo do vidro, é portanto turva e bastante cremosa.

Continua após a publicidade

Em Western Australia, não são tão radicais, consomem várias marcas. As locais mais tradicionais, no entanto, são a Emu e a Swan. Na realidade as duas cervejarias pertencem, desde 1928, ao mesmo grupo.

No Northern Territory, terra de crocodilos e de “homens de verdade”, bebe-se o que quiser e ninguém tem nada com isso. Uma curiosidade, aqui pede-se pela cor: amarelo para a four-X, vermelho para a Tooheys e verde para a VB, e bebe-se no gargalo em garrafas de 750ml. Por outro lado, pasmem, esta terra de machões é líder nacional no consumo de leite com sabores.

A pequena Tasmânia também produz suas cervejas, por sinal muito boas. A Cascade, a cervejaria mais antiga do país, ainda operando no local de sua fundação em 1820, é a preferida no sul da ilha, enquanto a Boag’s reina no norte. Dizem que até hoje, qualquer um que entre em um Pub na capital Hobart, no sul, ao pedir uma Boag’s, pode ser convidado a se retirar.

 

Veja mais em https://www.marcelocopello.com

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.