Imagem Blog

Patricia Lins e Silva

Por Patrícia Lins e Silva, pedagoga Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Educação
Continua após publicidade

Moïse e a história do Brasil

A escravidão deixou um legado infame e pesado que até hoje permeia nossa sociedade e corrói nossos valores

Por Patricia Lins e Silva Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 24 fev 2022, 13h44 - Publicado em 7 fev 2022, 13h52

A história chocante de Moïse, o congolês linchado na semana passada na Barra da Tijuca, remete à dramática saga de nossos antepassados africanos, trazidos para o Brasil escravizados.

Mas Moïse não veio escravizado. Pelo contrário, veio em busca de uma vida melhor, talvez acreditando no mito de um povo brasileiro cordial e acolhedor, num país de mestiços e, portanto, não racista. Não sabia que essa é uma versão fantasiosa de nosso passado.

Na realidade, nossa História é triste, violenta e perversa, e precisa ser discutida na escola com os alunos. A escravidão deixou um legado infame e pesado que até hoje permeia nossa sociedade e corrói nossos valores. Essa é a realidade lamentável que deve ser discutida nas escolas para que as novas gerações aprendam a reconhecer desvios graves e construam um país íntegro e responsável.

A morte de Moïse, amarrado e morto a pauladas por pelo menos quatro pessoas, à luz do dia, numa calçada à beira-mar, revela que não somos amáveis, gentis e acolhedores, como desejaríamos ser reconhecidos. Há algo de errado entre nós. Os valores civilizados nos escapam com facilidade, nossos sentimentos andam embrutecidos. Moïse é um representante do sofrimento de toda a população pobre e negra, que vive à margem de uma elite que hoje se esconde atrás de muros, grades e seguranças pagos para que seu olhar não seja incomodado pela calamidade da miséria.

Continua após a publicidade

O estudo das teorias decoloniais mostra as origens do racialismo, dos nossos preconceitos e de nossas ações imorais. Aqui, mais uma vez, a escola tem um papel importante como palco de discussão sobre a colonização, que não terminou com a onda de revoluções anticoloniais no século XX. A abrangência do colonialismo torna essencial que se promova a descolonização política, cultural e intelectual. A mentalidade colonial sobrevive ao período de governo formal deixando uma herança infiltrada em todos os aspectos do nosso mundo, moldando tudo, hierarquias raciais, normas de gênero, estruturas familiares, o uso da terra e até o arranjo do espaço geográfico.

As novas gerações têm o direito e o dever de discutir essas questões que continuam atuais e graves, que são constantes porque nunca resolvidas, raramente postas à luz. No século 21, a escola precisa abandonar a burocracia dos programas determinados e ter a coragem de se transformar no espaço de discussão de problemas contemporâneos. É assim que as novas gerações vão aprender a olhar criticamente para sua realidade, sem compactuar com preconceitos e com a coragem de enxergar a miséria a ponto de agir para resolver a inaceitável desigualdade social e econômica.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.