Imagem Blog

Fábio Barbirato

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Psiquiatra infantil
Continua após publicidade

A volta às aulas e a atenção redobrada dos pais ao bullying virtual

Conduta nociva transpassa as paredes concretas dos colégios e ganha o terreno das redes sociais e dos grupos de mensagens

Por Fabio Barbirato
27 fev 2023, 13h20

Cada vez mais, a volta às aulas dos filhos pede um acompanhamento maior dos pais. Não me refiro apenas ao que se passa em sala de aula, com a aprendizagem de conteúdo formal, mas também com o comportamento dos filhos dentro e fora do ambiente escolar.

Acompanhamos, ano a ano, o aumento de casos de cyberbullying (ou bullying virtual) nas escolas. Se antigamente as crianças sofriam com o que era erradamente rotulado por “brincadeira de mau gosto”, hoje essa conduta nociva transpassa as paredes concretas dos colégios e ganha o terreno das redes sociais e dos grupos de mensagens. Os assediadores estão escondidos atrás de telas.

Mas afinal, o que é o bullying virtual? São aqueles comportamentos que caracterizam crueldade com outros, seja enviando ou postando material prejudicial a terceiros usando meios tecnológicos; um indivíduo ou grupo de pessoas que se valem de uma informação ou comunicação envolvendo tecnologia para assediar ou ameaçar, deliberada e repetidamente uma pessoa ou um grupo. Ou seja: vai desde o envio de um vírus por e-mail à criação de um perfil falso na rede social.

O cyberbullying pode ser muito mais nocivo porque muitas vezes as vítimas sequer sabem quem é o agressor que a está difamando ou a razão dos ataques. Além disso, a capacidade de viralização é veloz e exponencial. Outro agravante é que muitos adultos não têm habilidades técnicas para monitorar ou reagir ao que é postado pelos filhos. Isso faz com que eles tenham uma lenta capacidade de resposta, o que dá ao cyberbullying a impressão de que existem poucas ou nenhumas consequências.

Continua após a publicidade

De acordo com pesquisa conduzida pela organização sem fins lucrativos Crime Luta, em 2006, 30% dos adolescentes com idades entre 12 e 17 anos e 16% das crianças entre 6 e 11 anos tinham sofrido tom ameaçador ou coisas embaraçosas ditas online sobre eles. Quando questionados sobre o conhecimento de casos de cyberbullying ocorridos na escola, esse número sobe para 45% entre as crianças e 30% dos adolescentes.

No Brasil, a Intel Security desenvolveu uma pesquisa com a finalidade de mostrar como crianças e adolescentes lidam com esse problema. O estudo foi realizado com 507 crianças e adolescentes de idades entre 8 e 16 anos, e concluiu que a maioria (66%) já presenciou casos de agressões nas mídias sociais. Cerca de 21% afirmaram que já sofreram cyberbullying e grande parte das vítimas tem entre 13 e 16 anos.

Entre as atividades realizadas em redes sociais por 24% dos entrevistados da pesquisa, que são consideradas cyberbullying, 14% das crianças admitiram falar mal de uma pessoa para outra, 13% afirmaram tirar sarro da aparência de alguém, 7% marcaram pessoas em fotos vexatórias, 3% ameaçaram alguém, 3% assumiram zombar da sexualidade de outro, 2% disseram já terem postado intencionalmente sobre eventos em que um colega foi excluído, entre outros casos.

Continua após a publicidade

As crianças entrevistadas justificaram o comportamento com três principais motivos: defesa, porque a pessoa afetada as tratou mal (36%); por simplesmente não gostar da pessoa (24%); e para acompanhar outras pessoas que já estavam praticando o cyberbullying.

A crueldade do ato torna-se ainda mais chocante ao vermos que as principais vítimas do cyberbullying são grupos sociais fragilizados, como deprimidos, fóbicos sociais, pessoas diagnosticadas com Transtorno do Espectro Austista (TEA) e déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

É importante reforçar que é preciso agir contra o cyberbullying. Por isso, pais e responsáveis têm que estar muito alertas para servirem de apoio aos jovens. Ao contrário do que ocorria há alguns anos, a internet não é mais um território sem lei. Uma delegacia se dedica exclusivamente a investigar e punir crimes virtuais. É fundamental que jovens e seus pais saibam que certos comportamentos, como racismo, preconceito religioso e homofobia podem ser facilmente puníveis por lei.

Continua após a publicidade

Fabio Barbirato é psiquiatra pela ABP/CFM e responsável pelo Setor de Psiquiatria Infantil do Serviço de Psiquiatria da Santa Casa do Rio. Como professor, dá aulas na pós-graduação em Medicina e Psicologia da PUC-Rio. É autor dos livros “A mente do seu filho” e “O menino que nunca sorriu & outras histórias”. Foi um dos apresentadores do quadro “Eu amo quem sou”, sobre bullying, no “Fantástico” (TV Globo).

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.