Imagem Blog

Esquinas do Esporte

Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio
Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania
Continua após publicidade

Pacto prioritário para banir discriminações dos estádios

Embora precisa de ajustes, endurecimento de punições contra crimes como injúria racial evoca responsabilidade conjunta de erradicá-los das arquibancadas

Por Alexandre_Carauta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 15 fev 2023, 10h03 - Publicado em 15 fev 2023, 09h58

Tragédias como os terremotos na Turquia e na Síria nos confrontam com a escala de prioridades não raramente contaminada por preocupações rasteiras, mesquinhas, prepotentes. Revê-la supõe-se um exercício constante, inclusive para o universo esportivo.

Os mais de 37 mil mortos e cinco milhões de desabrigados emitem pedagógicos recados além da nossa imprevidente fragilidade diante das convulsões planetárias. Expõem o pior e o melhor da natureza humana. Socorros comoventes misturam-se à indiferença de manobras governamentais que cruelmente os restringem.

Contradições assim evidenciam nossa dificuldade em honrar o pacto prioritário em torno da vida e da dignidade. Formalizado pela Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948, ecoa nas matrizes legais dos países democráticos. Nem por isso fica imune a ambições políticas e econômicas destituídas de senso comunitário.

A dificuldade se reflete na tolerância velada a discriminações cometidas em estádios, arenas, ginásios, como se fossem inerentes ao carnaval da arquibancada ou apêndices incuráveis de preconceitos estruturais na sociedade. O equívoco inibe a responsabilidade de efetivamente tratá-las com o rigor aplicado a crimes tipificados na Constituição e nas legislações civil, penal, esportiva.

Uma responsabilidade conjunta, extensiva a gestores privados e públicos, clubes e federações, atletas e comissões técnicas, torcedores e patrocinadores. Deles espera-se uma convergência de esforços para o amadurecimento coordenado de táticas educativas, normativas, fiscalizadoras, punitivas.

Recém-instituído pela CBF, o endurecimento de sanções a ataques discriminatórios representa um passo à frente. Embora careça de aperfeiçoamentos, alinha-se à necessidade de ajustar punições esportivas, econômicas e criminais à gravidade das agressões racistas, machistas, homofóbicas, xenófobas.

Continua após a publicidade

Qualquer desvio deste curso pereniza paliativos, limita o repúdio à bainha retórica. E nos leva ao beco da cumplicidade.

__________________

Só os deuses sabem

Artilheiros que nem Cano nasceram para derrubar comentaristas. Mal é notado no clássico contra o Vasco. Inofensivo igual uma folha caída no quintal. Eis que a bola sobra para o primeiro chute certeiro. Cano sendo Cano.

O atacante tricolor volta a hibernar. Segue opaco até o lampejo próximo do minuto final. Mais do que decisiva, a segunda exceção configura-se antológica: golaço de cobertura, lá do meio da rua, daquelas pinturas aplaudidas até pelos adversários, multiplicada em memes, eternizada como apenas o Maraca consegue eternizar.

Continua após a publicidade

Quem ousaria cogitar a sua substituição em dias apagados? Só os deuses da bola, e talvez o Sobrenatural de Almeida, sabem o que fazer.

__________

Alexandre Carauta é professor da PUC-Rio, doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva, formado também em Educação Física. Organizador do livro “Comunicação estratégica no esporte”.

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.