Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Esquinas do Esporte Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania

O esporte como vacina contra escombros evitáveis

Ampliação do acesso a atividade física regular, alimentação adequada e água tratada é crucial para melhorar a saúde e salvar milhões de vidas por ano

Por Alexandre_Carauta Atualizado em 23 fev 2022, 13h52 - Publicado em 23 fev 2022, 08h05

O garimpo atrás de sobreviventes na lama de Petrópolis compõe desses horrores periodicamente esculpidos pelo descaso. A cena revela um duplo desamparo: na prevenção e no socorro.

A busca de dignidade e horizontes precede a de corpos. “Agora vêm a água, a tinta, e tudo é normalizado em alguns meses, até a próxima chuvarada”, ironiza um morador escaldado por décadas de promessas e providências cosméticas.

A tormenta histórica não dilui a caligrafia humana da tragédia. O maior desastre “natural” da cidade reflete a velha mixagem entre inépcia gerencial e complacência fiscalizadora. Quando pinta a fatura, não adianta culpar o imponderável.

Seria igualmente equivocado responsabilizar carências de conhecimento, tecnologia, dinheiro. Especialistas e legisladores sugerem, anos a fio, maneiras de reduzir o risco de danos assim. Empacam na leniência indicada pelo subaproveitamento da verba para contenção de acidentes climáticos.

Os prejuízos econômicos da devastação petropolitana somam R$ 665 milhões, estima a Federação das Indústrias do Rio (Firjan). Obviamente não se comparam às perdas de vidas e afetos, lares e futuros. Até porque grande parte delas seria evitável.

O flagelo serrano nasce da mesma tempestade perfeita sem a qual o Brasil teria impedido, segundo pesquisadores como Juliana Werneck e Pedro Hallal, mais de 100 mil mortes no primeiro ano da pandemia. Tempestade semeada por indiferença, incompetência, desigualdade.

Há muito essa mistura banaliza o abandono, esgarça compromissos constitucionais e humanitários. Despreza o evitável. Desemboca, por exemplo, nos 35 milhões ainda sem água tratada.

A crise de amparo não exclui a saúde. Pelo contrário. Os dentes afiados da desassistência devoram o corpo, a mente, o espírito. Trituram a imunidade, o humor, a esperança.

Impossível não reconhecer a urgência de uma política de amparo transpartidária, visceralmente aliada ao evitável. Centrada na garantia dos direitos primários, do bem-estar, e na prevenção de mortes.

Melhorar a saúde dos pobres seria o carro-chefe. Implicaria a ampliação do acesso não só a tratamentos médicos, mas principalmente ao piso da vida saudável: saneamento, alimentação, atividade física.

Quase 120 milhões de pessoas se alimentam mal no país, alerta o IBGE. Agonizam entre o fantasma da fome e o excesso de comidas processadas e gordurosas.

De uma forma ou de outra, amargam insuficiências nutricionais. Ficam propensos ao cansaço, ao desânimo, às doenças.

Tais ameaças são potencializadas por fragilidades comuns à maioria da população: sedentarismo, sono deficiente e estresse prolongado. Intensificaram-se ao longo da hecatombe sanitária.

Continua após a publicidade

Cerca de 60% dos brasileiros deixaram de se exercitar nos últimos dois anos, aponta pesquisa da Fiocruz. Quatro em cada dez adultos são sedentários. Estão suscetíveis a obesidade, diabetes, câncer, infarto, AVC, câncer. Recrutam gastos maiores com atendimentos e internações hospitalares. Vivem pior. Vivem menos.

O esporte ou a atividade física regular evitaria pelo cinco milhões de mortes anuais, atesta a Organização Mundial da Saúde. O hábito economizaria 54 bilhões de dólares em atendimentos hospitalares.

Trinta minutos diários de exercícios moderados, cinco vezes por semana, salvariam 275 mil americanos por ano. O cálculo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos aplica-se à nossa realidade.

Atividade física precisa ganhar a importância sociocultural das refeições. Estímulos e condições para incorporá-la ao dia a dia deveriam integrar uma política pública guiada pela premência de nutrir e hidratar os invisíveis miseravelmente desprovidos de água potável, comida, dignidade.

Sem essas prioridades, fica difícil salvar dos escombros a saúde de milhões de brasileiros. A tempestade começou faz tempo.

_______

Festa castigada

Imagine um astro pop punido por abraçar a plateia na performance apoteótica. Ou uma atriz advertida ao acolher flores da fã durante os aplausos. O absurdo frequenta o futebol.

Dele não conseguiu esquivar-se Gabriel domingo passado, no duelo contra o Galo. O artilheiro rubro-negro recebeu amarelo depois de ter exibido o cartaz premonitório do torcedor, ao festejar o gol de empate.

A brincadeira caracterizava um excesso, decreta a regra. Hora de revisá-la. Como diria Seu Boneco, ir pra galera é a graça do show.

____

Alexandre Carauta é doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva, formado também em Educação Física.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)