Imagem Blog

Esquinas do Esporte

Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio
Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania
Continua após publicidade

Futebol: última chamada do trem para as estrelas

Para o país se aproximar do espetáculo jogado noutro planeta, dirigentes precisam construir o consenso de que o todo se impõe às partes

Por Alexandre_Carauta Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 Maio 2022, 17h09 - Publicado em 8 Maio 2022, 23h33

Dizem que o basquete americano pertence a outro planeta. Chuteiras europeias empreendem distinção semelhante.

Real x City se alojava noutra órbita. Até as amendoeiras prenunciavam o jogaço. Ele eclodia nas redes muito antes de superar a expectativa.

”Seria a apoteose da semana, se o Vasco não enfrentasse o CSA”, brincava um gaiato na roda de amigos. Viva o bom humor!

Ecoada nas esquinas, a semifinal da Champions reforçou a desconfortável convicção de que os bambas da Europa jogam outro jogo. Pelas equipes transformadas em seleções multinacionais. Pelo tempero tático do banquete técnico, e vice-versa. Pelos gramados impecáveis. Pelo planejamento cirúrgico. Pela arbitragem eficiente e discreta. Pela civilidade, essencial à fluidez do espetáculo.

Tudo isso transforma a Champions, e o campeonato inglês, numa Broadway. Nem precisava da virada antológica. Castigo à elegância impetuosa do time – dos times – de Guardiola. Prêmio à perseverança dos comandados por Ancelotti. O Sobrenatural de Almeida aplaudia. Teria feito parecido.

Além de incendiarem o Bernabeu e ressuscitarem o rumo espanhol à final, os gols de Rodrygo nos acréscimos certificaram o esporte em cartaz naquela Broadway. Outro esporte. Mais permeável aos enredos épicos, à vertigem da arte, à unção dos deuses.

Tal soberania respinga na importação por atacado dos técnicos portugueses. Alguns a consideram exagerada, uma reciclagem do complexo de vira-lata. Muitos aprovam. Identificam uma desejada oxigenação de táticas e treinos estacionados no passado. Tintas frescas numa aquarela desbotada.

Continua após a publicidade

Reavivar nossa aquarela, aproximá-la do arco-íris europeu sem colonizar matizes locais, implica uma longa e complexa caminhada. Estende-se, por exemplo. do saneamento político, administrativo e financeiro à recalibragem do calendário asfixiante.

A maratona larga de uma pragmática empatia: o todo impõe-se às partes. O consenso em torno da filosofia ganha-ganha, sem a qual se perpetuam voos de galinha, talvez seja o passo mais difícil.

Não basta replicar modelos de liga esportiva bem-sucedidos acima do Equador, muito menos se escorar na vocação nacional para fabricar talentos. É preciso construir uma gestão comunitária imune a egoísmos, obscurantismos, conchavos, na qual diferenças e divergências convirjam ao objetivo comum de melhorar o futebol brasileiro. Todos ganham.

Dessa mudança depende o embarque no trem para as estrelas, para o centro do palco. Senão perderemos a última chamada, e teremos nós, logo nós, o país da bola, de nos contentarmos com a coxia.

______

No meio da galera

Nossa cultura boleira é irrigada não só por dribles, gols, títulos. Deriva também das filiações imateriais constituídas nas arquibancadas, suas dinâmicas, seus personagens, seu folclore. O historiador Bernardo Buarque de Hollanda e a antropóloga Rosana da Câmara Teixeira iluminam uma parte saborosa deste universo em “Nada pelo Flamengo, tudo pelo Flamengo: memórias da Torcida Jovem do Flamengo (1960-1990)“, da Editora UFRJ.

As 290 páginas transitam por alianças, rivalidades, pulsações da torcida ao longo de três décadas. O garimpo historiográfico transcende o perímetro rubro-negro. Escava um jogo de representações e vivências extensivo à mitologia do futebol e suas raízes verde-amarelas.

O livro será lançado dia 26, às 18h, na sede do Flamengo, na Gávea.

______

Alexandre Carauta é doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva, formado também em Educação Física.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.