Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Esquinas do Esporte Por Alexandre Carauta, jornalista e professor da PUC-Rio Pelos caminhos entre esporte, bem-estar e cidadania

A ginga afetiva do torcedor globalizado

Expressa na babel de camisas estrangeiras, diversificação de laços com o mundo da bola não reduz peso social e comercial das filiações locais

Por Alexandre_Carauta Atualizado em 28 fev 2022, 22h00 - Publicado em 28 fev 2022, 19h41

O carioca não veste a camisa do seu clube como vestia. Essas estampas do amor incondicional jamais sairão de moda. Continuam lindas.
Mas parecem frequentar menos as calçadas.

Fatores socioculturais e econômicos explicam a mudança. O primeiro deles talvez seja a ginga transnacional do torcedor contemporâneo, identificada por pesquisadores como o sociólogo Richard Giulianotti.

Da tabela entre cibercultura e tradições boleiras, emergem torcedores híbridos. Harmonizam vínculos clubísticos de origem, natureza e intensidade distintas. Afastam-se da monogamia.

Acostumados desde cedo ao vasto acesso a equipes e atletas mundo afora – no game, nas telas, na palma da mão –, expandem as fronteiras afetivas com o futebol. Adicionam simpatias à preferência primária, geralmente influenciada por pais ou amigos.

Coerente à fugacidade hipermoderna, o comportamento flexível aparenta trair a velha guarda. Jovens o exercem com legítima naturalidade. Manifesta-se na babel de uniformes estrangeiros em campinhos, praças, shoppings.

A dispersão do torcedor globalizado coincide com o sucateamento do campeonato estadual e o avanço de disputas nacionais e continentais. Rendem mais prestígio, visibilidade, grana.

Mal gerido e depreciado, o Estadual rebaixou-se a aquecimento dos grandes para a temporada. Virou um estorvo no calendário sufocante à elite (paradoxalmente capenga à maioria dos 656 clubes profissionais). Uma jabuticaba que resiste à padronização do modelo europeu.

A atrofia da competição inaugurada em 1906 periga desidratar gradualmente as rivalidades locais. Tiro no pé.

Menosprezadas por olhares cosmopolitas, as esgrimas caseiras detêm inestimável valor histórico e comercial. Constituem um cimento com o qual torcedores pavimentam suas identidades, seus hábitos,  suas filiações tangíveis e intangíveis ao futebol.

Oposições lúdicas – no prédio, no bar, no escritório – lubrificam uma rica sociabilidade. Alimentam prosas, relações, receitas. Cultivá-las integra o beabá do marketing instado a desdobrar o consumo por vários meios e públicos.

Sem confrontar a ambicionada internacionalização das marcas cariocas, a tarefa inclui uma complexa calibragem de bens e serviços. Experiências e produtos licenciados devem contemplar diferenças socioeconômicas do país tingido pela massificação do futebol.

A difícil dosagem não caracteriza benevolência, e sim uma visão de negócios compatível à demanda crescente por responsabilidade social. A diversidade dos uniformes haveria de acrescentar versões ou coleções verdadeiramente populares. Até para coibir a pirataria.

Como os estádios, o carnaval, a praia, camisas de clube se elitizaram. Costumavam povoar as peladas, os programas despojados, as esquinas. Agora habitam festas, reuniões. Ganharam o status de “roupa pra sair”.

Continua após a publicidade

Naturalizada pela lógica mercantil, a ressignificação distancia essas expressões identitárias das calçadas. Mas não exclui seu peso na formação e no coração dos torcedores.

Tamanha força simbólica as mantém entre os objetos mais colecionados e cultuados no universo da bola. Nem por isso seu lugar deixa de ser a rua.

__________

O difícil basta

As agressões ligadas a quatro jogos recentes retratam a nuvem de barbárie sistematicamente à espreita. Dela não está imune o futebol, cujo tônus social e econômico se abastece de paixões, compulsões.

Os ataques em Salvador, Recife, Curitiba e Maringá dimensionam o crônico desafio da segurança em torno dos espetáculos esportivos. Exige bem mais do que reações indignadas e discursos protocolares.

A contenção da violência recruta esforços de dirigentes de clubes, federações, estádios, governos; de jogadores, treinadores, torcedores, patrocinadores; de agentes públicos e privados. Além do investimento em educação, envolve inteligência policial, fiscalização rigorosa e a efetiva aplicação de penalidades esportivas, jurídicas e financeiras.

Em meio às turbulências no comando central do nosso futebol, a Federação dos Atletas Profissionais (Fenapaf) cobra punições severas. Já deveriam ter sido assinaladas.

Os crimes impõem um basta. Não virá sem a mobilização de lideranças políticas, administrativas, econômicas, sociais, esportivas. O engajamento de jogadores influentes ajudaria a costurá-la.

O ex-atacante e comentarista Casagrande, um dos artífices da Democracia Corinthiana, está rouco de tanto pedir atitudes assim aos congêneres atuais. Talvez um dia a ficha caia.

___

Alexandre Carauta é doutor em Comunicação, mestre em Gestão Empresarial, pós-graduado em Administração Esportiva, formado também em Educação Física.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês