Imagem Blog

Dra. Danielle Negri

Por Danielle Negri, pediatra especializada em neonatologia formada pela Universidade Federal Fluminense Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Saúde
Continua após publicidade

Transtorno Obsessivo Compulsivo na infância: como identificar?

De 70% a 80% das pessoas que possuem a doença também sofrem com depressão

Por Danielle Negri
Atualizado em 29 abr 2024, 19h15 - Publicado em 26 abr 2024, 16h45

Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de 4 milhões de pessoas sofrem com o Transtorno Obsessivo Compulsivo, que atinge mulheres, homens e na maioria dos casos, pode surgir nos primeiros anos da adolescência. Mas é necessário alertar que essa condição psiquiátrica afeta pessoas de todas as idades, inclusive crianças. Apesar de ser mais comum em adultos, o TOC na infância apresenta desafios específicos e requer abordagens adaptadas para o diagnóstico e tratamento.

No Brasil, de uma pessoa entre 50 é atingida com o transtorno obsessivo compulsivo e em torno de 30% dos que têm se recusam a passar pelo tratamento. Outro fato que chama atenção é que de 70% a 80% das pessoas que têm a doença também sofrem com depressão, de acordo com números divulgados pela Pfizer. É importante ressaltar que o TOC na infância é caracterizado por pensamentos obsessivos e compulsivos que causam significativo desconforto e interferem nas atividades diárias da criança. Esses pensamentos intrusivos podem estar relacionados a temas como limpeza, organização, segurança, simetria ou até mesmo agressão.

Identificar o TOC em crianças pode ser desafiador, pois os sintomas podem ser confundidos com comportamentos típicos da infância. No entanto, sinais como rituais repetitivos, preocupações excessivas e dificuldades em lidar com a ansiedade podem indicar a presença do transtorno. Este cenário pode impactar significativamente o desenvolvimento social, emocional e acadêmico, levando a dificuldades de concentração na escola, isolamento social devido a atitudes compulsivas e ansiedade generalizada.

O tratamento do TOC com crianças geralmente envolve uma abordagem multidisciplinar, que inclui terapia cognitivo-comportamental (TCC), psicoterapia, orientação familiar e, em alguns casos, medicação sob supervisão médica. Além do tratamento profissional, é essencial que pais e cuidadores aprendam estratégias para apoiar a criança no enfrentamento da doença, o que inclui a criação de um ambiente seguro, a promoção de hábitos saudáveis de sono e alimentação, e a participação ativa na terapia e na gestão dos sintomas.

O Transtorno Obsessivo Compulsivo na infância é uma realidade que demanda atenção e cuidado especializado. Com diagnóstico precoce, intervenções adequadas e suporte familiar, é possível ajudar as crianças a superarem os desafios e alcançarem uma melhor qualidade de vida. O mais indicado é que ao notar os sintomas, os pais procurem primeiramente o pediatra e um psicólogo especializado neste trabalho com crianças.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.