Veja a história por trás da gravura da mítica bailarina Baderna

Italiana que veio para no Brasil, Marietta Baderna teve fãs que renderam o adjetivo sinônimo de confusão

A gravura acima é, talvez, o único registro da italiana Marietta Baderna (1828-1870). Primeira-bailarina do Teatro Alla Scala de Milão em 1846, ela, três anos depois, empurrada por entreveros políticos, veio parar no Brasil. Por aqui, casada com o maestro Gioachino Gianinni, estabeleceu-se, sobreviveu à febre amarela, mal que assolava o Rio no século XIX, e conquistou um séquito de fãs — os baderneiros, cujo ardor, com o tempo, virou sinônimo de confusão no dicionário. Em uma página no Facebook, seus tataranetos brasileiros dedicam-se a reunir informações sobre a ancestral famosa e desfazer mitos como esse.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s