Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

A cada seis horas, uma mulher é vítima de violência sexual no Rio

Para combater e prevenir crimes contra as mulheres, um pacto de cooperação foi firmado entre a Prefeitura do Rio e outras instituições na quinta (1ª)

Por Agência Brasil 2 jul 2021, 15h55

Dados do Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio (ISP-RJ), relativos ao ano de 2019, revelam que a cada seis horas uma mulher foi vítima de estupro no Rio. Em relação aos crimes de feminicídio, a cada 4 dias uma mulher foi morta, sendo que 59% das ocorrências aconteceram na residência da vítima e 53% das mulheres eram negras.

+ Parque Sustentável da Gávea está a um passo de sair do papel

Tendo em vista esses números, a Prefeitura do Rio firmou na quinta (1º), em parceria com treze instituições municipais, estaduais e federais, o Pacto de Cooperação pelo Enfrentamento às Violências contra a Mulher.

O acordo tem como objetivo a união de esforços para uma atuação coordenada, com ações integradas na prevenção e no combate dos crimes contra as mulheres. O evento ocorreu no Museu do Amanhã, na Praça Mauá, Região Portuária da cidade.

+ O avanço da vacinação: em um mês, mortes por Covid-19 caem 44% no Rio

O pacto prevê, entre outras ações, a ampliação dos Centros Especializados de Atendimento à Mulher (Ceam) para as Zonas Norte e Oeste, integração dos dados dos diferentes canais de denúncia e notificação, criação de fluxos de atendimento para encaminhar as vítimas no serviço público e aumento da empregabilidade das mulheres em situação de violência e em vulnerabilidade social.

Além disso, está prevista a implementação de um comitê de enfrentamento à violência política de gênero e a criação de um Fórum Permanente de Enfrentamento às Violências contra a Mulher.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

A secretária de Políticas e Promoção da Mulher, Joyce Trindade, informou que a ideia é transformar a cidade do Rio em uma referência na promoção da equidade de gênero. “Nossa meta é garantir que todas as políticas públicas potencializem as diversidades, em especial das mulheres negras, faveladas, LGBTI+ e das pessoas com deficiência”, destacou.

O prefeito Eduardo Paes disse ter orgulho de ter criado, em seu segundo mandato, a primeira secretaria de políticas para as mulheres das capitais brasileiras. “Entendo que ou a gente traz essa pauta de forma muito ativa ou fica muito difícil tratar do tema com a frequência que ele merece”, disse.

+ De casa nova, Junta Local lança vaquinha para criar mercado de pequenos produtores

Mês das Pretas

A Secretaria Especial de Políticas e Promoção da Mulher (SPM-Rio) deu início também na quinta (1º) uma agenda de atividades para celebrar o mês da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha. Batizada de Mês das Pretas, a iniciativa vai promover oficinas, rodas de conversas e grupos reflexivos nas Casas da Mulher Carioca e no formato virtual.

Segundo a secretária Joyce Trindade, a meta é ampliar a conscientização da população sobre o papel transformador das mulheres negras na sociedade e combater o racismo, que faz com que essas mulheres ainda sejam maioria em situação de violência doméstica, comunitária ou institucional.

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade