Continua após publicidade

Terreno de construtora em Niterói vira mistério para arqueólogos

Vestígios de cemitério ancestral estão sendo estudados em área que está dentro de sítio arqueológico

Por Redação
6 Maio 2024, 16h37

Um estudo em andamento investiga uma possível ossada de sepultamentos humanos na área do Sambaqui Camboinhas, próximo à Rua Professor Florestan Fernandes, na Região Oceânica. A equipe técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) acompanha as atividades no terreno que fica dentro de um sítio arqueológico que remonta a cerca de sete mil anos atrás.

+ “Ele é apenas um motorista”, diz Regina Gonçalves, refutando união estável

As pesquisas que estão sendo realizadas pela empresa A Lasca Arqueologia, de São Paulo, vão indicar se este é o primeiro vestígio de um cemitério ancestral no local. A empresa VKS Imobiliária, proprietária do terreno, disse não ter o que declarar enquanto o estudo estiver em andamento.

Compartilhe essa matéria via:

O professor do Núcleo de Pesquisas Arqueológicas Indígenas da Uerj, Anderson Marques Garcia, que desenvolve um projeto de campo com os alunos da universidade no Museu de Arqueologia de Itaipu, diz que os indícios deveriam suspender qualquer projeto de construção no terreno:

É como se construíssem prédios em cima do Cemitério São João Batista, em Botafogo. No dia em que acharam este vestígio por acaso estava passando por lá e pude ver o que foi encontrado. A equipe de arqueólogos retirou o material para analisá-lo e preservá-lo de qualquer incidente”, disse o professor.

A arqueóloga do Museu Nacional Maria Dulce Barcellos Gaspar explica que os montículos de terra encontrados na Região Oceânica são os mais preservados do país. E que as conchas encontradas junto a estes pontos demonstram a intenção de preservar os corpos que eram enterrados. Pela alta concentração de cálcio, as conchas ajudam na conservação do material encontrado milênios depois.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

A Lasca Arqueologia informou ao jornal O Globo que os estudos estão em curso e não há conclusões científicas até o momento: “As evidências de sepultamento ainda dependem de relatórios e orientações do Iphan, pois todos os procedimentos são devidamente registrados e orientados pelo órgão”.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.