Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Tensão no Rio: grupos radicais vão protestar sexta (26) em Copacabana

Eles se infiltraram no movimento que vai à Avenida Atlântica manifestar contra o lockdown; clima bélico leva organizadores a desistirem de participar

Por Da Redação Atualizado em 25 mar 2021, 13h30 - Publicado em 25 mar 2021, 13h26

A GUERRA ESTÁ COMEÇANDO. É assim, em letras maiúsculas, que o integrante de um grupo de ambulantes (legais e ilegais) e trabalhadores informais anuncia no WhatsApp o clima para a manifestação marcada para acontecer nesta sexta (26), na Praia de Copacabana.

Covid-19: Paes anuncia auxílio emergencial para 900 000 pessoas no Rio

O protesto, contra as restrições mais duras impostas pela prefeitura ao comércio em função da pandemia de Covid-19, havia sido convocado pela Liga Independente de Bares, Restaurantes e Similares (Libres). Diante do cenário bélico que vem se desenhando, o grupo desistiu de promovê-lo.

Chamado de ‘criatura imunda’, Marcelo Adnet processa Mario Frias

“Preferimos não associar o nosso nome a este risco, já que algumas pessoas vêm pregando uma postura violenta”, diz Alexandre Serrado, um dos líderes do Libres, associação que representa empresas de pequeno porte e funcionários ligados à gastronomia.

Continua após a publicidade

Cidades da Região dos Lagos e da Serra instalam barreiras no superferiado

Com o afastamento do Libres, dissidentes decidiram tomar para si a responsabilidade de organizar o encontro. A ameaça que vem sendo espalhada pelos grupos é de “partir para cima” de quem se opuser à manifestação, marcada para as 10:30 desta sexta (26), no Posto Seis de Copacabana.  “Vamos com tudo, comprar uns 20, 30 cabos de picareta, fogos, morteiro, rojão. Vamos estourar em cima de quem vier pra cima da gente”, diz um dos integrantes do grupo.

Até 37 000 reais é valor da multa para quem furar a fila da vacina no Rio

VEJA RIO apurou que a Guarda Municipal e a Polícia Militar já foram informadas sobre os protestos e as ameaças que vêm sendo feitas. A Guarda afirma que estará “com efetivo no local”, e a PM não se pronunciou sobre um possível reforço no policiamento.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade