Clique e assine por apenas 4,90/mês

Ministra do STJ nega habeas corpus a ex-secretário de Saúde do Rio

Edmar Santos é suspeito de fraude na compra de respiradores

Por Agência Brasil - 16 jul 2020, 10h33

A vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Maria Thereza de Assis Moura, negou nesta quarta (15) habeas corpus ao ex-secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro Edmar Santos, preso na semana passada por suspeita de integrar uma organização criminosa que teria fraudado contratos de compra de respiradores pulmonares, que são usados em pacientes com covid-19.

+Justiça nega pedido para suspender impeachment contra Witzel

Na decisão, a ministra indeferiu o pedido de liberdade por razões processuais ao entender que o caso precisa ser julgado definitivamente pelo Tribunal de Justiça do Rio antes de chegar ao STJ. No último fim de semana, outro habeas corpus foi negado pela primeira instância do Judiciário local de forma liminar (provisória).

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Mais cedo, o governador do Rio, Wilson Witzel, que também é investigado no caso, mas pelo STJ, disse que vai seguir governando “com ética e transparência”. Witzel se manifestou sobre um acordo de delação premiada que Edmar Santos teria assinado com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e que ainda não foi homologado.

+Transporte compromete mais de um terço da renda na periferia do Rio

“Com relação às informações divulgadas pela imprensa sobre um possível acordo de delação do ex-secretário de Saúde Edmar Santos com a PGR, reafirmo, com serenidade e firmeza, o meu compromisso com a população do Rio de Janeiro de governar com ética e transparência”, escreveu o governador em uma rede social.

Publicidade