Clique e assine por apenas 4,90/mês

Justiça nega pedido para suspender impeachment contra Witzel

Defesa alega que a Alerj praticou “ato ilegal e violador de garantias"

Por Agência Brasil - 16 jul 2020, 10h23

O Tribunal de Justiça negou o pedido do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, para que o processo de impeachment que tramita na Assembleia Legislativa (Alerj) seja suspenso. A defesa do governador alegou que a Alerj praticou “ato ilegal e violador de garantias fundamentais” no processo.

O processo de impeachment foi aprovado por unanimidade, recebendo votos favoráveis de 69 dos deputados estaduais presentes à sessão, pelo crime de responsabilidade, no dia 10 de junho deste ano.

+Transporte compromete mais de um terço da renda na periferia do Rio

Witzel é suspeito de envolvimento em fraudes na contratação de equipamentos e insumos para o setor de saúde do estado. O governador nega as acusações.

Continua após a publicidade

Em seu perfil na rede social Twitter, ele divulgou nesta quarta (15) um vídeo em que chama de levianas as acusações.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

“Não sou ladrão e não deixarei que corruptos e ladrões estejam no meu governo”, disse no vídeo.

O advogado de Witzel, Manoel Messias Peixinho, informou que a defesa estudará as medidas que serão tomadas. “Respeitamos e acatamos a decisão judicial, mas continuarmos com a tese de que a Alerj não observou por integral o direito de defesa do Governador”, disse

Continua após a publicidade

+Academias: aprovado projeto de lei que proíbe cobrar multa por rescisão

Publicidade