Clique e assine com até 65% de desconto

Transporte compromete mais de um terço da renda na periferia do Rio

Em áreas mais privilegiadas, gasto fica em torno de 5%

Por Agência Brasil 15 jul 2020, 17h15

Em levantamento feito com as prefeituras de 22 cidades que compõem a região metropolitana do Rio de Janeiro e as empresas de ônibus, o Mapa da Desigualdade 2020 mostra o peso da tarifa do transporte público no orçamento familiar mensal para quem mora em áreas periféricas, como Santa Cruz e a Baixada Fluminense. Nessas localidades, mais de um terço da renda é comprometido com as passagens de ônibus.

+Academias: aprovado projeto de lei que proíbe cobrar multa por rescisão

Por outro lado, em áreas mais privilegiadas, há pessoas que se pegarem dois ônibus por dia vão gastar menos de 5% da renda mensal. Os dados constam da pesquisa lançada nesta quarta (15) pela Casa Fluminense, organização que estuda políticas públicas para a redução das desigualdades.

Segundo o pesquisador Guilherme Braga, na região metropolitana, os empregos formais estão localizados principalmente no centro do Rio, na Zona Sul da cidade, na Barra da Tijuca e em Jacarepaguá, na zona oeste. “Tem uma sobreposição muito perversa na região metropolitana, pois as pessoas que vivem nas regiões onde o custo da tarifa é proporcionalmente maior em relação à sua renda também são as que levam mais tempo no transporte público todos os dias.”

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

O levantamento mostra que, na região metropolitana, os niteroienses vivem, em média,12 anos a mais que os moradores de Queimados. Na capital fluminense, a diferença na expectativa de vida entre quem mora em São Conrado e quem mora na Rocinha, bairros vizinhos, é de 23 anos. A expectativa de vida em São Conrado é de 75 anos e, na Rocinha, de 52 anos

Continua após a publicidade

“Sobre saúde e educação, por exemplo, o município de Japeri, com 100 mil habitantes, não possuía nenhum tipo de leito hospitalar público até 2019. Entre as cidades que tinham, São João de Meriti é a que pior cobria sua população, com dois leitos a cada 10 mil habitantes. Na agenda de educação, entre os 22 municípios da região metropolitana do Rio de Janeiro, só a capital fluminense atingiu a nota média do Ideb [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica] 2017 das cidades brasileiras”, afirmam os pesquisadores.

+Wilson Witzel: governador nega participação em desvio de verbas na Saúde

“O retrato dessas desigualdades se materializa localmente em áreas privilegiadas que provêm infraestrutura e bem-estar para os seus moradores, enquanto as periferias, subalternizadas, vivem em contextos profundos de vulnerabilidade pela falta de acesso a direitos sociais básicos, garantidos constitucionalmente”, disse o coordenador do estudo, Vitor Mihessen.

Para a consultora da pesquisa, Paula Moura, os indicadores socioeconômicos do Mapa da Desigualdade bordam o perfil populacional que é preferencialmente atravessado por essas desigualdades.

“No processo da pesquisa, vimos o quanto o racismo e sexismo desempenham papel fundamental para a perpetuação da vulnerabilidade social. Isso fica evidente quando vemos que, dos 22 municípios da região metropolitana do Rio, três não têm ou não responderam sobre a existência de centro de atendimento à mulher. E, ainda, quando analisamos que, na mesma região, o salário das mulheres negras equivale à metade da remuneração recebida pelos homens brancos desempenhando a mesma atividade econômica”, afirmou Paula.

 

Continua após a publicidade
Publicidade