Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Rio ganha plano de incentivo ao turismo religioso pós-pandemia

Lançamento nesta terça (1º) terá a apresentação da cantora Elba Ramalho, no Santuário Cristo Redentor. Roteiro incluirá locais como o Santuário de Fátima

Por Luiza Maia Atualizado em 1 jun 2021, 14h51 - Publicado em 1 jun 2021, 14h42

Como parte das comemorações dos 90 anos do Cristo Redentor, será lançado nesta terça (1º) um plano de incentivo ao turismo religioso no Rio. A cerimônia terá a apresentação da cantora Elba Ramalho, às 17h, transmitida ao vivo pelos canais oficiais do Santuário Cristo Redentor e do Padre Omar.

+ Terreirão do Samba pode mudar de nome para homenagear Nelson Sargento

O objetivo é incentivar a retomada do setor, abalado pela pandemia, e aumentar o fluxo turístico na próxima década. “Queremos chegar aos 100 anos do Cristo Redentor, em 2031, celebrando a marca do Rio como destino religioso mais buscado do país”, declara Sonia Chami, presidente-executiva do Rio Convention & Visitors Bureau (Rio CVB), que está à frente da iniciativa. 

Com apoio da Prefeitura do Rio, o plano quer colocar em destaque diferentes pontos de interesse religioso da cidade, tanto para o catolicismo quanto para o judaísmo, protestantismo e as religiões afro-brasileiras.

+ Covid: Rio figura entre as capitais que mais vacinaram com a segunda dose

Locais históricos como o Santuário de Fátima, no Recreio, o Memorial do Holocausto, em Botafogo, e o Centro Cultural Jerusalém, em Del Castilho, serão incluídos no roteiro.

Memorial Judáico no Mirante do Pasmado
Memorial do Holocausto: homenageia os mais de 6 milhões de judeus mortos sob o regime nazista, durante a Segunda Guerra Mundial Tânia Rego/Agência Brasil
Capela das Aparições
Santuário de Nossa Senhora de Fátima: o espaço possui uma cópia exata da capelinha das aparições original, de Portugal Alexandre Macieira/Riotur

Por ano, o Cristo Redentor recebe 3 milhões de turistas, enquanto o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em São Paulo, atrai 13 milhões. Caso o Rio consiga atrair 3% dos visitantes da Basílica de Aparecida, a economia da cidade pode receber o boom de R$ 300 milhões por ano.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade