Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Renascença Clube proíbe manifestações políticas em shows, mas volta atrás

Espaço mudou posicionamento após repercussão negativa da primeira nota divulgada nas redes sociais entre artistas e frequentadores

Por Kamille Viola 27 jan 2022, 13h27

Sede do concorrido Samba do Trabalhador, o Renascença Clube se envolveu em uma polêmica ao postar em suas redes sociais que é proibido fazer manifestações políticas em suas dependências. Com a repercussão negativa entre frequentadores e artistas, o lugar divulgou uma nova nota, afirmando que jamais cercearia a liberdade de expressão.

+ Prejuízo certo: Rio perde 31 bilhões por ano com poluição na Baía de Guanabara

“O clube é apartidário, mas apoia o direito à democracia. O Renascença Clube é um lugar de samba e alegria, não se responsabilizando por qualquer manifestação política por parte dos artistas e do público”, afirma o post.

Compartilhe essa matéria via:

A primeira publicação causou mal-estar, porque nos eventos têm sido frequentes os gritos contrários ao governo de Jair Bolsonaro e em apoio ao ex-presidente Lula. Artistas como Teresa Cristina, Marina Iris, Dorina e Rafael Zulu foram alguns que criticaram o posicionamento do clube.

+ Academia, mercado, peixaria e outras construções irregulares no Recreio são demolidas

Continua após a publicidade

Na página do Samba do Trabalhador, o grupo que comanda a roda das segundas, liderado por Moacyr Luz, se manifestou: “O samba, em sua essência, sempre foi um ato de resistência. Um lugar onde aqueles que nunca tiveram voz passaram a poder se expressar através da arte. Por aqui, seremos sempre apreciadores incansáveis da liberdade da expressão, e contra quaisquer tipo de censura.”

+ Polícia Federal prende duas pessoas em Mangaratiba por maus-tratos às girafas

Em declaração ao Globo, Moacyr Luz afirmou que ler a primeira nota publicada pelo clube causou nele um mal-estar visível. Sobre o segundo posicionamento, ele disse: “Justificaram algo que já era óbvio. Eu não quero acreditar que alguém do clube como o Renascença tenha um pensamento dessa ordem, preconceituoso e fascista. Deve ter sido falha de comunicação. Melhoraram uma situação desagradável.”

+Ecologia na garupa: ONG reúne motociclistas engajados na causa ambiental

Fundado em 1951 para que famílias negras pudessem frequentar o espaço sem sofrer racismo, o clube é considerado um espaço de resistência.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado, com Blogs e Colunistas que são a cara da cidade.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

App Veja para celular e tablet, atualizado mensalmente com todas as edições da Veja Rio

a partir de R$ 12,90/mês