Continua após publicidade

Rio monitora blocos de rua clandestinos: “Briga de gato e rato”, diz Paes

O prefeito afirma a supervisão de possíveis cortejos e cogita folia no 2º semestre 'em cima da hora', caso haja o controle da pandemia pela vacinação

Por Luiza Maia
4 fev 2021, 15h43

O Carnaval se aproxima já deixando saudades da tradicional festa nas ruas cariocas, que foi suspensa devido à pandemia. Mesmo com o alto número de mortes devido ao novo coronavírus, a Prefeitura do Rio acompanha a possibilidade de alguns blocos ignorarem a medida e causarem aglomerações nas próximas semanas.

+ Carnaval em casa: Fundição Progresso cria cursos on-line inspirados na folia

Em entrevista ao portal de notícias G1, Eduardo Paes (DEM) afirmou que a Secretaria de Ordem Pública (Seop) está de olho nos eventos marcados nas redes sociais e que conta com a polícia para conter os cortejos. Nesta segunda (1º), o prefeito revogou o decreto que estabelecia o ponto facultativo na segunda de carnaval.

Paes afirma que grandes blocos já se manifestaram contra as ocupações nas ruas, em respeito ao cuidado necessário neste momento. Entretanto, as movimentações espontâneas da festa preocupam as autoridades.

Continua após a publicidade

+ A live que faltava: Maria Bethânia anuncia show on-line no Carnaval

“O problema são essas coisas que surgem sem muita consciência. Então, nós vamos ter que ficar atrás disso. Briga de gato e rato, buscando punir, penalizar e atrapalhar a festa de quem quiser fazer a festa. A gente está trabalhando com essa hipótese”, afirmou ao portal de notícias.

Apesar de ter descartado anteriormente a realização de um carnaval fora de época em julho, Paes ainda considera remarcar a festa, caso haja uma considerável queda no número de casos da pandemia. 

Continua após a publicidade

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

“Se Deus quiser, rolou (diminuição em) julho, eu faço os ensaios técnicos na avenida, não tem a menor dificuldade. Agora, o carnaval mesmo oficial não tem como ter. Pode criar uma coisa em cima da hora. Literalmente. Põe a escola (de samba) em cima da hora no negócio e faz uma coisa. Mas não dá para programar isso com antecedência”, cogita.

Na manhã desta quinta (4), o prefeito também anunciou um aporte de R$ 3,2 milhões para o carnaval de rua da cidade, com objetivo de dar uma força na renda de profissionais que atuam no ramo. 

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.