Continua após publicidade

Polícia monta esquema para evitar arrastões no Réveillon de Copacabana

Bairro terá pontos de revista, drones e torres com canhão de luz; detetores de metal serão usado para coibir entrada de armas de fogo e facas

Por Da Redação
23 dez 2022, 14h43

Nem só de fogos e shows é feito o Réveillon de Copacabana. A Polícia Militar vai incrementar a vigilância da festa com uso de detetores de metal para coibir a entrada de armas de fogo e de objetos cortantes, como facas e canivetes, a fim de evitar que arrastões como os que aconteceram na virada de ano passado, quando quatro pessoas foram esfaqueadas em assaltos na areia. O evento deste ano também contará com trinta torres de observação ao longo da faixa de areia. Com 1,20 metro de altura e dez metros quadrados de área interna, elas serão equipadas com canhões de luz para monitorar um trecho de aproximadamente quatro quilômetros de extensão, entre o Forte de Copacabana e a Avenida Princesa Isabel, no Leme. Quinze delas serão posicionadas no calçadão da orla e a outra metade ficará na faixa de areia, perto do mar.

+ De Copa a Paquetá, a programação de todos os palcos do Réveillon do Rio

Para dificultar a ação dos bandidos, serão cinco instaladas tendas de policiamento em pontos estratégicos da faixa de areia, onde até dez PMs ficarão trabalhando no patrulhamento. Também está prevista a utilização de quadriciclos para possibilitar que os agentes se desloquem mais rapidamente em caso de necessidade. Outra novidade estará nas ruas que dão aos pedestres acesso à orla do bairro. Elas ganharão barreiras com grades móveis. A intenção da PM é criar uma espécie de cinturão de monitoramento no perímetro. O número de policiais convocados para patrulhar Copacabana no réveillon ainda não foi definido, mas o efetivo vai ultrapassar o da passagem de 2021 para 2022, quando 2.482 PMs trabalharam na região.

O esquema de segurança em Copacabana entre os dias 31 de dezembro de 2022 e 1º de janeiro de 2023 contará ainda com o apoio de imagens geradas por drones e helicópteros do Grupamento Aeromóvel da PM (GAM). Os registros serão recebidos simultaneamente por um carro-comando, que ficará em um ponto da orla, pela sala de operações do 19º BPM (Copacabana) e pelo Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), da Secretaria de Polícia Militar, na Cidade Nova. Assim, caso seja necessário, a decisão para deslocar uma equipe poderá ser tomada mais rapidamente.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Serão 29 pontos de bloqueio, em ruas paralelas que dão acesso à Avenida Atlântica, sendo 13 de interdição de trânsito e 16 locais de revista, com grades de proteção. Em cada um desses locais de revista, 15 policiais estarão atuando com detetores de metal. O policiamento do Réveillon em Copacabana servirá como teste para o projeto experimental de georreferenciamento das equipes, já em andamento no 19º BPM e em outras três unidades. O projeto permite que os centros de operações da corporação monitorem, em tempo real, a localização dos policiais por meio de um GPS acoplado às câmeras portáteis usadas no uniforme.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.