Clique e assine por apenas 4,90/mês

Pedro Luís: “O Rio perdeu a gentileza, mas não a potência cultural”

Cantor e compositor, fundador do Monobloco, participou da live Cena Carioca, de VEJA Rio, e dividiu expectativas para o Carnaval pós-vacina

Por Marcela Capobianco - Atualizado em 8 set 2020, 12h43 - Publicado em 7 set 2020, 20h36

O cantor, compositor e fundador do Monobloco Pedro Luís participou da live Cena Carioca, com a jornalista Rita Fernandes, no Instagram de VEJA Rio, na noite desta segunda (7), e disse que os integrantes do tradicional cortejo que desfila pelas ruas do Rio, Belo Horizonte e São Paulo estão ávidos para o Carnaval pós-vacina contra a Covid-19.

+ Festival on-line exibe filmes de países africanos

“Não importa quando vai ser, o principal é que a gente consiga organizar os dias de folia, porque é uma logística intensa colocar o Monobloco na avenida”, pontuou o músico.

Confira, abaixo, trechos da conversa.

Carnaval Pós-coronavírus

“O Carnaval da forma como conhecemos não vai acontecer. Estou quase de luto… Mas acredito que temos que organizar uma folia fora de época, depois da vacina e da imunidade de rebanho.  Uma coisa legal foi que a oficina do Monobloco, que acontecia presencialmente, no Rio, em São Paulo e em BH, agora é on-line e os músicos estão podendo se encontrar, ainda que virtualmente. Algumas dificuldades que os alunos tinham e que não apareciam na oficina presencial, em meio a tantos músicos, puderam ser sanadas com as aulas pela internet”

+ Maitê Proença vai estrear no teatro on-line nesta quarta (9)

Rio de Janeiro e a gentileza

“De modo geral, o Rio perdeu a gentileza. Eu saio na rua e tenho que me atentar com moto que invade a calçada, motoristas sem educação… Tenho preferido ficar na roça. Acredito que os artistas têm a missão de resgatar a auto-estima do Rio e dos cariocas. Sou otimista, é até bom perceber que pessoas fascistas estão ‘colocando a cara’, fica mais fácil identificar quem pensa diferente”

Cultura criminalizada

“Vivemos numa época em que a cultura virou praticamente um crime. Os músicos do Monobloco, por exemplo, não vivem só disso. O bloco é apenas uma das frentes de trabalho. Todo mundo dá seus pulos, assim como eu. Músico não tem 13º salário, nem direito a férias… É um trabalho bem difícil”

Continua após a publicidade

+ Marina da Glória terá cinema drive-in temporário

Noite efervescente

“A noite do Rio nunca parou, apesar de todos os problemas da cidade. Fiz durante dois anos a madrugada do CCBB, na rua, já fiz eventos na Praça Mauá que juntaram muita gente, num clima maravilhoso. A cidade perdeu muito, mas coisas lindas ainda acontecem na rua, a exemplo do Carnaval e blocos lindos como o Boitatá, Bangalafumenga e vários outros”

Música e sensibilidade

“Minha preocupação, como cantor e compositor, é tocar os botões de sensibilidade do público, em qualquer lugar que eu vá. Seja no Rio ou fora do Brasil”

Produção na quarentena

“Eu faço o que tem data para entregar. Não me obrigo a compor e produzir muito. Tive a experiência de lives com as cantoras Roberta Sá, Mart’nália, Elba Ramalho, Fernanda Abreu e Zélia Duncan, que foram sensacionais, mesmo à distância. Me diverti muito explorando sonoridades com artistas tão distintas”

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Futuro

“Não vejo a hora de cair na estrada com o show cantando músicas do Luiz Melodia. Eu ia lançar uma música inédita num show no Inhotim, em abril, mas não pude. Então, estou à espera da vacina para voltar aos palcos. Projeto é o que não falta”

 

Continua após a publicidade
Publicidade