Clique e assine por apenas 3,90/mês

Sem desfiles, escolas de samba buscam alternativas para o Carnaval 2021

Cerca de 5 000 pessoas trabalharam na produção da festa que movimentou 4 bilhões de reais no Rio em 2020

Por Bernardo Araújo - Atualizado em 23 out 2020, 21h54 - Publicado em 16 out 2020, 09h35

“Anunciaram e garantiram que o mundo ia se acabar / Por causa disso a minha gente lá em casa começou a rezar / E até disseram que o sol ia nascer antes da madrugada / Por causa disso, nessa noite lá no morro não se fez batucada”. No samba E o Mundo Não Se Acabou, de Assis Valente, sucesso de Carmen Miranda em 1938, o compositor lamentou o silêncio dos tamborins.

A situação guarda semelhanças com o mundo do samba de hoje: em razão de uma praga, literalmente – a pandemia -, a festa momesca de 2021 também sentirá o baque. Os desfiles da Sapucaí foram oficialmente suspensos, o que não põe um ponto-final na história.

As escolas ainda sonham com a farra completa alguns meses depois, quando a aguardada vacina chegar. “Fala-se no feriado de São Jorge, emendado com o de Tiradentes, em abril, que pode criar uma sequência de cinco dias para os desfiles”, adianta a porta-bandeira Lucinha Nobre, da Portela, irmã de Dudu Nobre, compositor de inúmeros sambas-enredo. “Estamos ansiosos”, diz.

O carnavalesco Leandro Vieira: livro sobre os últimos desfiles da Mangueira Marcelo Theobald/Agência O Globo

A decisão, baseada na cartilha de prevenção ao vírus para frear as aglomerações, faz tremer uma indústria no Rio que, só neste ano, reuniu 10 milhões de foliões e gerou 4 bilhões de reais em receitas para a cidade. Para se ter uma ideia das engrenagens que move, cerca de 5 000 pessoas trabalharam na produção da festa só na Sapucaí. O mundo do samba é unânime: não há como pular o Carnaval de 2021. Mas sabe-se que será uma dura corrida de obstáculos.

Além da questão sanitária, o novo cronograma precisa driblar datas já reservadas para outros eventos, como os Jogos Olímpicos de Tóquio (de 23 de julho a 8 de agosto), prioridade da TV, e não ser perto do fim do ano. Já pensou comprometer o desfile de 2022?

No meio da indefinição, muita gente anda caindo no samba do jeito que dá – abraçando as lives -, e assim se mantém na ativa e ganhando algum dinheiro. “Fazemos esses shows pela internet que é o que nos resta”, desabafa Dudu Nobre.

A flexibilização em diversas atividades trouxe uma ponta de esperança: as quadras das escolas poderão reabrir para o público, ainda que com capacidade reduzida, como cinemas e teatros. A Portela, que se virou na pandemia lançando sua feijoada em modo delivery e uma loja on-line, volta a funcionar em 1º de novembro. “Vamos fazer tudo do jeito que a Fiocruz mandar”, promete Luis Carlos Magalhães, presidente da Portela.

Um lance mais audacioso foi uma negociação selada com a Rede Globo em setembro, que mostrou interesse em transmitir as finais da escolha dos sambas-enredo do Grupo Especial – com pagamento de direitos às escolas.

A data ainda não está definida. “A notícia deu uma reanimada na turma. Tinha escola que nem ia passar pela seleção do samba e decidiu fazer, como a Paraíso do Tuiuti”, conta Gabriel David, 23 anos, filho do bicheiro Anísio Abraão David e à frente da Beija-Flor, que tenta estancar a crise com novos negócios, como um canal para crianças no YouTube e uma linha de roupas para venda on-line.

Continua após a publicidade

+Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

É raro, mas o Brasil já viu outros carnavais fora de época. Em 1892, antes da era das grandes escolas de samba, o governo resolveu transferir a festa para junho, por considerar um mês “mais saudável”, certamente levando em conta o impiedoso calor de fevereiro.

Duas décadas mais tarde, a morte do então ministro das Relações Exteriores, o Barão do Rio Branco, a uma semana da folia provocou o adiamento para abril. Não adiantou nada – aliás, até adiantou: o povo foi para a rua e pulou duas vezes. Quando o Rio sediou a Eco 92, Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, cogitou-se um Carnaval no meio do ano, que acabou não acontecendo.

+Um giro pelo Boxx, novo reduto gastronômico em Botafogo

Agora, as incertezas atingem não só as escolas de samba, mas também os blocos de rua, que aguardam uma posição da Riotur. Os entendidos acham que, de um modo ou de outro, o folião acabará encontrando o seu jeito de cair na folia, ainda que desrespeitando uma decisão oficial.

“Vai ter bloco mesmo sem autorização da prefeitura, e não duvido que a turma venha com gás redobrado”, diz o escritor e estudioso Alberto Mussa, jurado do prêmio Estandarte de Ouro, relembrando o Carnaval de 1919, quando o povo foi à forra após a devastação da gripe espanhola.

+Marcelo Serrado dá dica de filme no streaming para ver em família

Na própria passarela do samba, em branco o Carnaval não passa. O Museu do Samba e o Laboratório de Arte Carnavalesca enviaram um documento à prefeitura sugerindo ações simbólicas para marcar os dias da festa. Na lista, constam propostas como a tradicional lavagem da pista do Sambódromo por baianas de todas as escolas, a entrega da chave da cidade ao rei Momo e eventos virtuais, já de acordo com a nova etiqueta pós-vírus.

Gabriel David, da Beija-Flor: negociação para transmitir a escolha dos sambas Acervo Pessoal/Divulgação

Até o velho corso, desfile em carros, foi lembrado como uma alternativa. Enquanto pairam tantas dúvidas, Leandro Vieira, dono do enredo campeão da Mangueira em 2016 e 2019, está neste momento em casa preparando um livro sobre os três últimos desfiles da verde e rosa. Afinal, o mundo não se acabou.

 

Continua após a publicidade
Publicidade