Clique e assine por apenas 4,90/mês

Memorialista carioca: “O Rio foi destruído pelo progresso”

Daniel Sampaio, criador da página Rio Antigo, participou da série Colunistas Ao Vivo e falou sobre os desafios de conservação da memória na cidade

Por Bruna Motta - 27 ago 2020, 13h15

O advogado, memorialista e fundador da página Rio Antigo, Daniel Sampaio, foi o convidada da série Colunistas ao Vivo desta quarta (26). Durante o bate-papo, conduzido pela repórter Marcela Capobianco, Daniel falou sobre os patrimônios históricos do Rio e também como essa área está bastante esquecida – já desde bem antes da pandemia causada pelo novo coronavírus.

+Daniela Alvarenga: ‘Para a pele, disciplina vale mais que produto caro’

No fim da conversa, realizada no perfil do Instagram de Veja Rio, o memorialista indicou três livros para entender melhor a história do país. Abaixo, alguns destaques:

#rioantigo

“Nossos primeiros passos começaram em 2011, no Instagram. Ainda era uma coisa pouco difundida. Como a minha página pessoal era basicamente fotos de áreas antigas do Rio, decidi separar isso criando o projeto, que, inacreditavelmente, ainda não tinha nenhum perfil com esse nome. E assim fui fazendo esse projeto não só com fotos minhas, mas sim de todo mundo que também se interessa em registrar esse lado da cidade. É colaborativo”.

Memorialista

“O que eu estou fazendo é um trabalho relacionado à história, mas é muito mais memória. Não sou historiador. Existe uma vocação, uma carreira, uma atividade chamada memorialista. A categoria que eu enxerguei para mim é o memorialista de cidades. Vou atrás da memória da nossa cidade”.

+Marcelo Copello: “O consumo de vinhos no Brasil só cresce” 

Descuido com o patrimônio

“Somos uma cidade de muita demolição. Espaços em que a memória é desconsiderada. Por exemplo, durante as duas ditaduras – a Era Vargas e a militar – derrubaram muita coisa. Para construir a Presidente Vargas derrubaram igrejas, perdemos quarteirões inteiros. A ditadura militar foi trágica para a nossa memória. A cidade inteira foi destruída. Muito do que não tinha sido foi agora. O Rio foi destruído pelo progresso”.

Na Europa é chique

“Estava andando na rua e ouvi uma pessoa falando: por que não destrói logo? A pergunta é: por que não restaura? Viajando para a Europa acham incrível e aqui é feio. O que falta, além do descaso do governo em não priorizar, é essa ligação emocional das pessoas com o que é nosso. Temos oportunidades de vários locais para turismo e muita coisa está em ruínas”.

Continua após a publicidade

+André Heller-Lopes: “É preciso ter mais acesso a balés e óperas”

Maior patrimônio do Rio

“A zona portuária. Temos um patrimônio da humanidade que é o Cais do Valongo totalmente abandonado. A Unesco tira título e não duvido tirar esse da gente. Temos ali uma região carregada de história que precisamos cuidar melhor”.

+Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Dica de livros:

Pedro Dória – 1565: Enquanto o Brasil nascia: A aventura de portugueses, franceses, índios e negros na fundação do país

João do Rio – A alma encantadora das ruas

Ruy Castro – Metrópole a beira mar

 

View this post on Instagram

Na live Colunistas ao Vivo, o advogado e memorialista Daniel Sampaio (@danielsampaio), do @rioantigo, falou sobre os grandes desafios de manter os patrimônios históricos da cidade, fez um alerta sobre construções importantíssimas que estão ‘caindo aos pedaços’ e contou como é viver coletando memórias do Rio. Assista!

A post shared by Veja Rio (@vejario) on

Continua após a publicidade
Publicidade